Justiça condena primos por matar ambulante que defendeu mulheres trans no Metrô de SP

A Justiça condenou na última quinta-feira (13/12) dois primos a 15 anos e três meses de prisão pelo assassinato de um ambulante no Metrô de São Paulo em 2016. Câmeras de segurança gravaram a agressão.

Os réus Alipio Rogério Belo dos Santos, de 26 anos, e Ricardo Martins do Nascimento, de 21, já estavam presos preventivamente pela morte de Luiz Carlos Ruas, 54. O ambulante foi espancado pelos agressores depois que tentou defender duas transexuais que estavam apanhando deles. O caso ocorreu em 25 de dezembro de 2016 na estação Dom Pedro II, na região central da cidade.

Após dois dias de julgamento, o júri popular considerou Alipio e Ricardo culpados pelo crime. O juiz Roberto Zanichelli Cintra, da 1ª Vara do Júri no Fórum Criminal da Barra Funda, Zona sentenciou a dupla a prisão em regime fechado por homicídio qualificado por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Relembre o caso

As imagens das câmeras da estação mostram a perseguição de dois homens à travesti. Ela passa por baixo da catraca do metrô, corre com os criminosos em seu encalço e consegue escapar. Luiz vai defende-la, mas depois aparece fugindo da dupla. O ambulante cai e é atingido por socos e pisões. A estação Pedro 2º, da Linha 3-Vermelha do Metrô, não contava com nenhum segurança quando Ruas foi espancado. As agressões ocorreram em frente a uma bilheteria, por volta das 20h do Natal.

Ruas morreu no hospital e teve corpo velado nesta terça no Cemitério Jardim Vale da Paz, em Diadema, na Grande São Paulo. Ele trabalhava há mais de 20 anos na saída de uma passarela para pedestres do lado de fora da estação onde foi morto. No mês passado, a Justiça determinou que o Metrô pague pensão mensal de R$ 2.232,54 para mulher do ambulante. Segundo o Tribunal de Justiça, o valor estipulado, que corresponde ao rendimento médio do vendedor e deverá ser depositado todo dia 20 de cada mês, já a partir de janeiro, sob pena de multa. Cabe recurso da decisão.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!