Rapaz que espancou jovem gay confessa crime e confirma homofobia

Após a prisão e em depoimento à Polícia Civil, o principal suspeito de ter espancado o jovem Davi Amaral, de 18 anos, confessou o crime e disse que a motivação foi homofobia. Arisson Sá Pedroso, de 24 anos, foi preso nesta quarta-feira (20/02) em Santarém (PA), após se apresentar à polícia acompanhado por sua mãe Maria de Jesus Sá Pedro e sua tia Cristiane Sá Pedroso.

“Ele disse que teve um relacionamento anterior com um rapaz e que depois essa pessoa teria dito que ele tinha relação homossexual, que mentia muito, que tinha uma filha. Ele queria descontar essa raiva em alguém. Como a pessoa é homossexual e o Davi também, ele acabou descontando no Davi. Tem relação com homofobia”, afirmou o delegado Dmitri Teles ao G1. Depois de ouvido, o agressor foi levado para fazer exame de Corpo de Delito no Centro de Perícias Renato Chaves (CPC) antes de ser encaminhado ao Centro de Recuperação Agrícola Sílvio Hall de Moura.

Davi Silva Amaral foi encontrado desacordado na manhã de quinta-feira (14/02), em um terreno baldio no cruzamento das avenidas São Nicolau e São Paulo, bairro Livramento. O jovem que foi espancado e teve fraturas na cabeça estava apenas de camisa, despido da cintura para baixo. Davi foi levado para o Hospital Municipal Alberto Sotelo e passou por cirurgia. O jovem foi encaminhado para a UTI, onde ficou entubado e com sinais vitais estáveis. No domingo (17) a unidade hospitalar confirmou a morte encefálica.

O velório do jovem ocorreu na Catedral de Nossa Senhora da Conceição e o sepultamento no cemitério de Nossa Senhora dos Mártires, na terça-feira.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!