Transderella, versão trans de Cinderella que foi sucesso no teatro, virou livro infantil

Vai ter protagonista trans em livro infantil SIM!

Depois do grande sucesso nos palcos dos teatros, Transderella foi lançada em formato de livro infantil. O lançamento aconteceu dia 14/11, Livraria Martins Fontes em São Paulo.

‘E se a Cinderella que o mundo conhece fosse uma garota transexual?’ Foi através dessa premissa que Lino, drag queen escritora, criou o texto para a montagem teatral do conto de fadas transexual. A drag autora se baseou em sua experiência durante trabalhos de capacitação profissional com a comunidade trans nos centros de Transcidadania da cidade de São Paulo.

Foi a partir dos relatos de vida das pessoas trans com quem Lino lidou, que a drag teve a ideia de usar o universo lúdico de conto de fadas pra difundir e propagas as dificuldades e a realidade das pessoas que tentam ser reconhecidas pelas suas reais identidades de gênero.

Lino é um escritor que usa a arte drag para vestir suas histórias. No ano de 2016 formou-se em Licenciatura em Teatro na Faculdade Paulista de Artes. No meio de sua graduação, ofereceu voluntariamente na escola E. M. E. F. Celso Leite Ribeiro Filho, um curso de teatro para mulheres e homens trans, levando suas apresentações para dentro de faculdades e casas culturais.

Em 2016 escreveu a peça “Transderella” que tocou o público e tem estado em cartaz desde então. Possui um canal no Youtube chamado “Linotopia”, onde sua arte Drag trata de temas LGBTQI+, literatura, cinema e humor. Pretende lançar mais histórias com temas necessários para nossa sociedade.

Lino encontrou no clássico Cinderela, do escritor francês Charles Perrault, o contexto perfeito pra abordar o preconceito e a dificuldade de aceitação dos transexuais na sociedade. Após o sucesso de público da montagem teatral, a dag decidiu propagar ainda mais a sua criação e adaptou a peça para uma versão literária.

Na trama, a princesa que todos nós conhecemos se chama Cindy, uma menina trans órfã, que sofre preconceito e maus tratos por parte de sua família adotiva. Sua madrasta, a terrível baronesa Angelique Furton e seus filhos, Sofia e Griseldo, que insistem em obrigá-la a usar roupas masculinas e chamá-la por seu nome de batismo, Daniel.

Com a ajuda de seus amigos como a Fada Drag Madrinha e o Ratinho Tito, Cindy aprende a importância de perseverar e lutar pelos seus sonhos, mesmo em meio a tantas dificuldades e rejeição.

O livro tem como foco a identidade de gênero, mas aproveita a diversidade para trazer questões sociais vividas diariamente pelas minorias a intenção de fazer com que o leitor desenvolva empatia e possa, assim, repensar as suas próprias atitudes.

Transderella não conta a história de uma princesa que espera seu príncipe, e sim de uma menina que descobre o amor como consequência do momento em que decide viver sem medo de ser quem realmente é.

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos e redator colaborador de conteúdos sobre diversidade LGBTI+ do portal Pheeno.com.br! #MandaAssunto