Casamentos homoafetivos aumentam 340% após eleição de Bolsonaro

É o orgulho de amar é maior que o preconteito!

Foi divulgada na última quarta-feira, daí 04/12, uma pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que aborda estatísticas de registros civis no país.

Segundo a ‘Estatísticas do Registro Civil 2018’, em 2018, o casamento entre pessoas do mesmo sexo aumentou 61,7% em relação a 2017, saltando de 5.887 registros civis para 9.520 no ano passado no Brasil.

A pesquisa também aponta que as uniões entre mulheres cresceram 64,2%, passando de 3.387 em 2017 para 5.562 em 2018. Os casamentos entre homens subiram de 2,5 mil para 3.958, o que representa um aumento de 58,3%.

O estudo indica que a alta aconteceu principalmente nos últimos meses do ano, que coincide com o período pós-eleição do presidente Jair Bolsonaro, que se declara “homofóbico, com muito orgulho”, além de diversas declarações homofóbicas ao longo da sua carreira política.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) vigorou em 2013 a Resolução 175, que obriga os cartórios a realizarem uniões entre casais do mesmo sexo. À época, o atual presidente, que ainda era deputado federal, afirmou: “eles [os LGBTs] não querem igualdade, eles querem privilégios,…, está bem claro na Constituição aqui: a união familiar é um homem e uma mulher”.

Entre novembro e dezembro do ano passado de 2018 foram registrados 4.027 matrimônios homoafetivos, no mesmo período do ano anterior, os casamentos entre pessoas do mesmo sexo somaram 1.193, o que corresponde a um aumento de 340%.

No casamento entre cônjuges mulheres, foram registradas no ano passado 549 uniões em novembro e 1.906 em dezembro. Em 2017, havia sido 328 em novembro e 354 em dezembro.

Os registros de casamentos entre homens passaram de 408 em novembro para 1.192 em dezembro de 2018, em comparação com os 267 e 244, nos mesmos meses do ano anterior.

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos e redator colaborador de conteúdos sobre diversidade LGBTI+ do portal Pheeno.com.br! #MandaAssunto