Ministério da Justiça vai notificar Tinder e Grindr por suposta venda ilegal de dados pessoais dos usuários

O Ministério da Justiça e Segurança Pública afirmou que notificará os aplicativos de relacionamento Tinder e Grindr por suposto compartilhamento ilegal de dados. Com informações do site G1.

Segundo a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) a “notificação será feita e as empresas têm prazo de 10 dias para esclarecerem se os dados pessoais de usuários foram comercializados ilegalmente”. Caso sejam comprovadas irregularidades, o ministério afirma que a multa pode chegar a R$ 9 milhões. Um estudo realizado pelo Conselho de Consumidores da Noruega mostrou que o Grindr vem compartilhando dados de GPS, direção IP, idade e sexo de seus usuários com diversas empresas para melhorar a eficiência dos anúncios publicitários.

O relatório, batizado de “Fora de controle: Como consumidores são exploradoras pela indústria de publicidade digital” (em tradução livre), também envolve o Tinder, acusado de compartilhar dados de seus usuários com pelo menos 45 empresas de seu proprietário, o Grupo Match. O app também compartilha informações sobre o gênero do usuário e qual o gênero estaria interessado com duas empresas de marketing.

Sobre a acusação, o Grindr, controlado pela empresa chinesa Beijing Kunlun, foi procurado pela AFP mas não quis comentar a denúncia. Já o Match Group, dono do Tinder e do OkCupid, afirmou em um posicionamento enviado ao “The New York Times” que trabalha em parceria com companhias terceiras e que compartilhou apenas dados estritamente necessários para esses serviços. O grupo disse ainda que cumpre leis de privacidade e que tem contratos com parceiros que garantem a segurança dos dados dos usuários.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!