Medicamento genérico de prevenção à infecção pelo HIV chega ao Brasil e será disponibilizado fora do SUS

O número anual de casos de Aids, doença provocada pelo vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), vem diminuindo gradativamente no Brasil desde 2013, quando atingiu 42.934 casos. Em 2018, foram registrados 37.161 casos, segundo dados do Boletim Epidemiológico de HIV/Aids 2019, do Ministério da Saúde.

De 2007 até junho de 2019, foram registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) 300.496 casos de infecção pelo HIV no País. As regiões Sudeste e Sul concentram os maiores números, sendo 136.902 (45,6%) e 60.470 (20,1%), respectivamente. Entre os grupos mais afetados, estão os jovens (entre 20 e 34 anos), com 300.496 infectados (52,7%) no período de 2007 até junho de 2019; e pessoas com mais de 60 anos de idade – aumento de 80% na taxa de infecção por HIV entre este grupo. Essa alta é explicada, entre outros fatores, pelo aumento da expectativa de vida e porque é comum que pessoas nesta faixa etária considerem o uso do preservativo necessário apenas como método contraceptivo.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda, desde 2012, a oferta da Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), além de outros métodos de prevenção. Ele consiste no uso de medicamento anti-HIV de forma programada para evitar uma infecção pelo vírus, com uso diário e contínuo do remédio. Caso haja uma exposição (situação de risco), o medicamento não permite que o HIV se instale no organismo.

O MEDICAMENTO

No Brasil, o tratamento foi disponibilizado no Sistema Único de Saúde (SUS) no final de 2017, de forma gradual, entre outros métodos de prevenção. Conforme o protocolo nacional, a PrEP pode ser fornecida para pessoas HIV-negativas dos grupos de risco.

A Profilaxia Pré-Exposição não protege contra outras infecções sexualmente transmissíveis (IST) e gravidez. Por isso, é importante que o paciente conheça e utilize outros métodos preventivos, como preservativos, também disponíveis gratuitamente nos serviços de saúde.

A Blanver passa a disponibilizar o primeiro medicamento genérico em redes particulares – até então, era apenas oferecido pelo SUS. Até o final de março, as lojas da Drogaria São Paulo no Estado de São Paulo terão exclusividade na venda. O lançamento está disponível por R$ 150,00 (o frasco com 30 comprimidos) – metade do preço da medicação referência. Após o período de exclusividade, a comercialização se estenderá a outras redes de farmácias.

Para Jairo Alves, Gerente Executivo Comercial do Grupo DPSP, o segmento tem mudado, tanto como prevenção, quanto conveniência. “É perceptível que a população está mais preocupada com a saúde. O PrEP é primeiro genérico para prevenção do HIV, e reforça portfólio de remédios inovadores e exclusivos no País, e permitirá, ainda, que usuário encontre o produto com maior facilidade e conveniência em virtude da capilaridade da rede e do horário de conveniência. Além disso, o Brasil foi pioneiro na América Latina ao adotar a terapia como política de saúde, e, com a venda na rede, colaboramos com a ampliação da iniciativa para todo o território nacional”, finaliza.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!