Alunos de escola religiosa acusam professor de LGBTfobia após “exercício homofóbico”

Alunos do primeiro ano do Ensino Médio do Colégio Presbiteriano Quinze de Novembro, de Garanhuns (PE), acusam um professor da instituição de ensino religioso de LGBTfobia. Um exercício divulgado pelos alunos nas redes sociais pedia para eles apontarem uma resposta, com base em princípios bíblicos, ao “problema” de uma garota que se sentia atraída por outra menina.

Segundo a proposta do professor Josedson Roberto, que tinha como tema “Deus Pensou Diferente”, alunos deveriam escrever uma redação sobre o que falariam a um amigo que diz que sente atração por outra pessoa do mesmo sexo. Conforme a questão, os alunos teriam que elaborar uma resposta firme sem taxar “preconceito”, classificando a sexualidade da garota como um “problema”.

Confira

Segundo o portal Mídia Ninja, em sua justificativa, o professor Josedson Roberto afirmou que o exercício apresentou defeitos de elaboração. Já para a escola, a atividade foi “retirada de contexto e reinterpretada”. “Considerando a reiterada reafirmação da interpretação equivocada, o professor retornou ao contato com a turma, fazendo as considerações necessárias para diminuir equívocos”, afirma a instituição religiosa.

“O fato abriu as portas para que ex alunos e atuais tomassem coragem e começassem a falar sobre outras práticas LGBTfóbicas da instituição. A escola, em um ato de covardia, retirou os comentários de seus posts no Instagram e agora nem mesmo cita-los na rede social é possível. Sou aluno dessa instituição vergonhosa”, declarou um aluno ao site Põe Na Roda.

Ver essa foto no Instagram

Carta aberta do Colégio Presbiteriano Quinze de Novembro.

Uma publicação compartilhada por Colégio Quinze de Novembro (@colegioquinze) em

Via: Mídia Ninja

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!