Homem hétero procura ajuda de colunista após afirmar que coronavírus causou fortes “desejos homossexuais”

Um homem supostamente hétero, de 30 anos, afirma que o isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus causou fortes “desejos homossexuais” que ele pensava ter reprimido. Para o isso, o rapaz, que preferiu não revelar a identidade, buscou ajuda da colunista de conselhos queer Anna Anna Polley, do Chicago Tribute.

“Sou um rapaz de 32 anos que só teve dois relacionamentos reais com garotas”, explica o homem. “Ao longo da minha vida, fui atraído por garotas (amor à primeira vista com garotas no ensino médio, casos com garotas, etc.)”, continua. Sem elaborar muito, o rapaz observa que havia “alguns pequenos sinais” de que ele gostava de homens quando era mais jovem, mas nunca lhes prestou muita atenção. Agora, esses sentimentos estão de volta e estão mais difíceis do que nunca de ignorar.

“Então, estou me perguntando se sou gay e talvez por isso eu não esteja interessado em um relacionamento com uma garota ou se eu sou uma pessoa desapegado. Eu nunca acho uma garota boa o suficiente”, conta o rapaz. “Não quero ser gay”, acrescenta ele, dizendo que “sempre se imaginou com uma mulher e tendo filhos”. Agora ele se pergunta: “O que há de errado comigo?”

COLUNISTA RESPONDE

Em sua resposta, Pulley garante ao homem que não há nada de errado com ele e que suas lutas são realmente bastante comuns. “Você não está sozinho em fazer grandes perguntas durante a pandemia do COVID-19 “, ela escreve. “Muitas e muitas pessoas estão fazendo exatamente isso”.

“Agora que estamos presos em nossas casas, temos espaço para sentar – às vezes desconfortavelmente – conosco mesmos por longos períodos de tempo, e essa abertura pode levar a lugares surpreendentes. Na última semana, um amigo descobriu que é trans. Outro terminou com o parceiro de vários anos. E ainda outra – uma mulher poliamorosa casada com um homem – percebeu que era monogâmica e lésbica. E isso foi apenas uma semana”, conta Pulley.

“Eu também pensei em me casar com um homem e ter filhos, e nenhuma dessas coisas aconteceu, e estou completamente bem com isso. Mais do que bem, na verdade”, ela diz. “Não consigo olhar para uma bola de cristal e dizer com quem você vai acabar. Mas posso lhe dizer que você ficará bem, não importa o que aconteça, não importa qual seja a sua sexualidade ou o seu futuro”.

Pulley encerra pedindo para o rapaz explorar mais a sua sexualidade e ter a mente aberta. “Encorajo você a (com segurança e quando for possível) explorar esses desejos. Vá a alguns encontros com homens e veja como é isso”, aconselha. “Você não precisa de um rótulo para fazer isso. Você não precisa de confiança, certeza ou respostas definitivas. Você só precisa ser curioso e disposto”, finaliza.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!