Universitário é sequestrado, agredido e estuprado por três homens em Petrolina

13055398_216658712044528_7381718583300685475_n

O estudante de psicologia Anderson Veloso, 21 anos, relatou em sua página no Facebook que foi vítima de um ataque homofóbico na noite do último sábado (30/04) na cidade de Petrolina no estado de Pernambuco. Anderson descreve que foi sequestrado por três homens e levado em um veículo para uma área afastada da cidade.

Ao chegar no local, o jovem conta que foi agredido com socos e chutes, ameaçado de morte e estuprado pelo grupo com um pedaço de pau! “Fui levado a um lugar desconhecido e chegando lá me espancaram com socos, me derrubaram no chão e continuaram a me bater, mesmo já debilitado, após isso me enforcaram com o cordão do meu short. Como se não bastasse tudo isso que aconteceu, ainda violaram sexualmente de mim”, disse ele na rede social.

Anderson relatou que os agressores o ameaçavam e gritavam: “vou te matar viado” e “vai embora de Petrolina, viadinho”. O jovem disse ainda que jamais imaginou que sofrer um crime de homofobia. Segundo o delegado Daniel Moreira, da Delegacia Regional de Petrolina, a polícia está em diligências para encontrar este grupo de agressores, e trabalha com a hipótese de que as mesmas pessoas teriam praticado, em Petrolina, crimes semelhantes ao relatado pelo estudante.

“Esse tipo de crime não é tão comum. E tivemos casos semelhantes nas semanas passadas, um deles próximo à universidade. Portanto, acreditamos se tratar do mesmo grupo”, afirma. Para ele, os suspeitos escolhem as vítimas de acordo com sua condição sexual. O estudante fez a primeira postagem no Facebook no domingo, mas ela foi removida porque segundo a mídia social, ‘não seguia os padrões da comunidade’.

Confira a publicação…

O dia 30 de abril de 2016 tinha tudo pra terminar de uma forma positiva, mas não foi isso que aconteceu. Mais uma vez, a violência e o ódio permearam as ruas da cidade de Petrolina, fato que tem acontecido bastante, levando em consideração as grandes tragédias que aconteceram aqui nos últimos tempos. Entretanto, dessa vez foi algo diferente. A vítima de todo esse obscuro e frio momento me fez parar pra refletir sobre diversas questões que antes não chegavam até a pele, até o verdadeiro sentir. Dessa vez, a vítima da agressão foi eu.

Tantas e tantas vezes já havia ouvido falar que a homofobia matava, mas mesmo assim, isso não me chegava aos olhos, visto que nunca havia passado por uma situação como essa. Hoje, só hoje, eu posso verdadeiramente enxergar que o preconceito é capaz de nos levar a lugares nunca vistos antes, e com o coração despedaçado, infelizmente, terei de confessar aqui que ontem à noite, por volta das 18:30 da noite, eu fui capturado por três pessoas em um carro sedan preto; fui levado a um lugar desconhecido e chegando lá me espancaram com socos, me derrubaram no chão e continuaram a me bater, mesmo já debilitado, após isso me enforcaram com o cordão do meu short. Como se não bastasse tudo isso que aconteceu, ainda violaram sexualmente de mim.

Os gritos de “vou te matar viado”, “vai embora de Petrolina, viadinho” e tantos outros ainda ecoam dentro de mim e eu sei que eles permanecerão ainda por muito tempo. Todavia, mesmo diante disso tudo, eu não me silenciarei. A minha dor não será apenas mais uma dor. O meu choro não será um choro em vão. Olhar e ver o desespero daqueles que verdadeiramente me amam, rasga meu coração. Olhar em um espelho qualquer e ver o desespero no meu próprio olhar, me consome. Só que essa luta não é só minha. Em nome de todos aqueles que já apanharam ou morreram por conta da homofobia, eu digo: não foi em vão. Nós somos fortes e nós vamos conseguir, mesmo que queiram nos destruir. E quantos são aqueles que foram destruídos pela simplicidade de existir, tantos são aqueles que ainda serão atingidos e se machucarão pior do que eu. Eu sou um sortudo, um maldito sortudo que carregará dentro de si uma dor que agora faz parte de mim, mas eu ainda estou aqui.

Apesar de achar que nunca mais iria ver meus pais, meus amigos ou aqueles que verdadeiramente eu amo, eu ainda estou aqui. E EU SEI QUE NÃO É EM VÃO. Agora, não mais uma dor me consome, além disso, uma danada vontade de lutar e gritar está louca pra sair, assim como as lágrimas que escorrem pelos meus olhos. Doeu? Sim. Vai doer mais? Sim. Mas isso não me calará. Essa dor que eu estou sentindo não é só minha, é a dor das milhares de famílias e amigos que perderam os seus por não serem esses malditos sortudos, assim como eu. É por eles, pelos que não voltaram. Pelos meus familiares. Pelos meus amigos. E acima de tudo, pela minha liberdade que ninguém toma, por aqueles que ainda irão levar muito na cara, por todos aqueles que perderam suas vidas. Um lado da minha face apanhou, mas EU AINDA TENHO O OUTRO LADO.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!