Reportagem do ‘The New York Times’ afirma que Brasil é o país mais perigoso para LGBTs

Cruzes_na_bandeira_lgbt1-1

Um primeiro lugar digno de tristeza! Segundo reportagem do jornal americano “The New York Times”, publicada na última terça-feira (05/07), o Brasil vive hoje uma “epidemia de violência contra os LGBTs”, transformando assim, o nosso país no lugar mais perigoso do mundo para a comunidade arco-íris.

A reportagem citou dados do grupo Gay Bahia, que alega que nos últimos quatro anos e meio mais de 1.600 pessoas foram assassinadas no país por conta da homofobia. Isso representa praticamente uma morte por dia. Segundo o NYT, esses dados acabam contrastando com a “imagem de uma sociedade tolerante e aberta” de um país que “aparentemente alimenta expressões de liberdade sexual durante o carnaval e que tem a maior parada gay do mundo”.

Mesmo sendo um dos primeiros países a oferecer medicamentos para portadores de HIV, um dos pioneiros em reconhecer a união civil de pessoas do mesmo sexo para fins de imigração, as tradições sociais de alguns grupos não caminharam no mesmo ritmo dos avanços obtidos no sistema normativo.

A violência contra homossexuais está relacionada, de acordo com a publicação, com a forte cultura machista predominante no país, além do crescimento de alas evangélicas conservadoras, contrárias à homoafetividade.

Na reportagem, o cientista político Javier Corrales faz sua analogia, afirmando que a sociedade brasileira até estaria mais tolerante, mas o problema se concentra nos grupos intolerantes que estariam “desenvolvendo novas estratégias e um discurso mais virulento para barrar o progresso nessas questões”.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!