Pesquisa mostra que 36% dos estudantes LGBT brasileiros já sofreu agressão na escola

violencia-escola-pheeno-capa

Segundo levantamento realizado pela Secretaria de Educação da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), mais de um terço (36%) dos estudantes LGBT brasileiros já sofreu agressão na escola.

Os dados mostram ainda que 73% dos estudantes LGBT disseram já terem sido agredidos verbalmente no ambiente escolar, enquanto 60% sentem-se inseguros na escola por se definirem como LGBT. Desses, 39% constataram que nenhum membro da família falou com membros da equipe de profissionais da escola quando o estudante sofreu agressão ou violência.

“Os dados apontam para um cenário nada alentador. É um cenário caracterizado pela insegurança dos/das estudantes LGBT nas instituições educacionais, com alta incidência de agressão verbal, física e violência, sem o devido apoio ou medidas para contornar essas situações, e sem um número adequado de profissionais de educação capacitados/as para dar conta dessas situações e revertê-las por meio de ações educativas”, diz o documento.

bullying-3_large_original

Também por causa dos incidentes, estudantes passaram a registrar mais probabilidade de faltar à escola no último mês devido aos níveis mais elevados de agressão LGBTfóbica. Os estudantes que vivenciaram níveis mais elevados de agressão verbal têm 1,5 vezes mais probabilidade de relatar níveis elevados de depressão, 74% comparados com 44% que sofreram menos agressão.

Responderam ao questionário pessoas de todos os estados brasileiros e do Distrito Federal, à exceção do Tocantins. Quase metade dos internautas se identificou como do gênero feminino (47%), a maioria como gay ou lésbica (71%) e os demais se identificaram como bissexuais ou de outra orientação que não a heterossexual. A maioria desses estudantes LGBT frequentou o ensino médio em 2015.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!