Condomínio em SP pede que morador retire cortina com as cores da bandeira LGBTQ+

Um morador de um condomínio localizado na Rua Augusta, região central de São Paulo, usou o seu Facebook para desabafar sobre um ocorrido que vem tirando o seu sossego. No post, o geólogo Francisco Campos, de 28 anos, relata ter sido vítima de homofobia no local onde mora há cinco anos com o namorado, Gabriel Facuri, de 30 anos.

Segundo Campos, ele e o namorado colocaram uma cortina no quarto deles com as cores da bandeira LGBT+, o que resultou em uma série de dores de cabeça para ambos. Alguns dias depois, eles receberam uma intimação do condomínio pedindo a retirada da cortina. Francisco não tirou e pediu para os responsáveis pelo condomínio viessem falar com ele. Não vieram e enviaram uma advertência por suposta infração.

Ainda de acordo com o relato do jovem, ele e seu namorado receberam uma multa sob alegação de que a cortina colocada “interfere na valorização do patrimônio do condomínio”. “Após nossa contestação por escrito, a administração disse que nossa cortina não se trata de uma cortina e que ela pode ‘interferir e influenciar na valorização do patrimônio’. Em todo o momento falam sobre multa e até ligaram na imobiliária dizendo que iriam nos multar”, conta.

“Ora, não há regras de cores de cortinas no prédio e todos os vizinhos têm as cortinas que querem, por que a nossa está sendo questionada? A cortina de arco-íris é a única que para qual se inventou uma proibição? Qual a intenção disso? Continuamos no embate, mas são tempos sombrios em que estamos e não podemos deixar piorar ainda mais elegendo um fascista para presidente”, encerrou.

Vale lembrar que no Estado de São Paulo existe a lei 10.948 que pune e multa casos baseados em discriminação homofóbica e/ou transfóbicas seja por parte de estabelecimentos comerciais, instituições públicas, pessoas físicas ou mesmo ambientes privados.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!