Antônia Fontenelle ataca gays nas redes e gera polêmica: “Viadin*os violentos”

Antônia Fontenelle gerou polêmica nas redes sociais ao mandar um recado em tom agressivo à comunidade LGBT, na noite do último domingo (27/01), por meio de stories no Instagram. A confusão começou após Antônia escrever “que bonitinho” na publicação do vídeo em que Lulu Santos é pedido em casamento por Clebson Teixeira durante um show do cantor no último fim de semana.

“Gente, eu comentei em vídeo que o Hugo Gloss postou a respeito do namorado do Lulu, que pediu o Lulu em casamento. E eu achei muito bonitinho o jeitinho carinhoso dele. E eu comentei: ‘Ai, que bonitinho’, do fundo do meu coração”, começou a youtuber. “E aí eu comecei a ver agora um monte de marcação de um monte de gayzinhos, viadinhos mau caráter agressivos, violentos, me achincalhando porque eu usei a frase ‘bonitinho'”.

“Acham que eu deveria ter falado outra coisa ou ter feito um texto gigante a respeito do que eu vi. Eu queria dizer uma coisa pra você: vocês querem respeito, então têm que respeitar também. Vocês tão pensando o quê? Que eu vou me render à ditadura de vocês? Que agora tem que rezar a cartilha de vocês? Tem que falar tudo do jeitinho que vocês querem? Vocês vão pra casa do car**. Vocês me respeitem pois o buraco aqui é mais embaixo. Querem respeito? Então vão aprender a respeitar”, continuou.

Fontenelle disse ainda que não ficará calada pois não faz parte da ‘ditadura’ da comunidade que ela acredita que existe. “Que merda é essa? Não me chamo Nego do Borel, não me chamou Ludmilla, não me chamo Anitta. Não me chamo pessoas que dependem de vocês, da ditadura de merda de vocês pra viver, tá? Me respeitem, hein? Querem respeito vão ter que respeitar. O que é isso? Os valores estão todos invertidos agora? As coisas tem que ser do jeito que vocês querem? Tem que bater continência pra vocês agora? Tem que passar e baixar a cabeça? Vão pra casa do car**. Me respeitem também. Que merda”, completou.

Nos comentários, os fãs não gostaram nada dos termos usados por ela. “Pelo visto a senhora só estava esperando uma chance pra destilar seu ódio. Cedo ou tarde as máscaras caem, né?”, disse um. “Parabéns pelos termos que você usou (só que não) para falar de um grupo que sofre tanto preconceito. É dessa forma que você se diz sem preconceitos? Nos poupe”, alfinetou outra. “Quando a pessoa não está na TV e sabe que não vai voltar ela precisa arrumar outros meios de aparecer”, completou uma terceira.

Confira

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!