Mesmo debaixo de chuva forte, 24ª Parada do Orgulho LGBTI do Rio é um sucesso

Faça chuva ou faça sol, nada vai mudar o nosso ORGULHO!

Na tarde desse domingo, dia 22/09, aconteceu a 24º Parada do Orgulho LGBTI do Rio de Janeiro, com organização do Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBTI+ e diversas parcerias com iniciativas privadas.

Foto: Gustavo Bresciani / Popline

Não é de “ontem” que nós, LGBTs, somos censurados pela sociedade. Em especial, no caso da capital fluminense, esse assunto se tornou mais latente após uma infundada tentativa de censura por parte das autoridades locais, conforme foi amplamente divulgado, inclusive por nós do Pheeno.

Infelizmente, há alguns anos, as autoridades municiais do Rio vêm tentando ofuscar o brilho da Parada LGBTQI carioca, porém, graças à união de forças entre instituições não governamentais e iniciativas privadas e, a tradição da celebração da diversidade se mantém, mostrando que verdadeiramente a união faz a força e que ninguém vai soltar a mão de ninguém.

Considerada a 2ª maior Parada do país e o 3º evento que mais atrai turistas pra cidade, ficando atrás apenas do carnaval e réveillon, a 24º Parada do Orgulho LGBTI do Rio de Janeiro aconteceu nesse último domingo (22/09) de forma esplendia e plena, mesmo com todas as adversidade, veladas ou não, que a sociedade ainda tenta nos impor.

A Produção da Parada organizou uma coletiva de impresna, para explicar não só o tema escolhido esse ano, mas também para expor os contratempos que pasaram para que o evento acontecesse de fato. Além dos organizadores, também estavam presentes, na bancada palestrantes, personalidades LGBTs como Jane di Castro, Lorna Washington, Luis Lobianco, David Miranda, entre outrxs.

Foto: Gustavo Bresciani / Popline

Foto: Gustavo Bresciani / Popline

Foto: Gustavo Bresciani / Popline

Com o tema “Pela Democracia, Liberdade e Direitos: Ontem, Hoje e Sempre”, tendo como referência os 40 anos do Movimento LGBTI no Brasil e 50 anos da Revolta de Stonewall, em Nova Iorque, a marcha foi marcada por discursos imponentes de militantes, artistas, celebridades e, inclusive, políticos, contra os governos municipal, estadual e federal.

Ações de cidadania, prevenção e saúde também fizeram parte do evento, que prestou serviços de prevenção às Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), HIV e AIDS. O grupo distribuiu 200 mil preservativos femininos e masculinos, gel lubrificante e folhetos informativos de prevenção às doenças ao longo do evento.

Mesmo debaixo de chuva forte, a multidão não se abalou e fez valer a pena o empenho todos xs voluntárixs e trabalhadorxs que estavam doando seu tempo e energia, em prol da nossa causa, como a jornalista Letícia Reitbergerm, assessora de impresa da Parada há 10 anos. Foi num ritmo harmônico, com muita alegria, que o grande público pode, também, se divertir durante as mais de 6 horas de evento.

Além dos serviços sócias, a 24º Parada do Orgulho LGBTI do Rio contou com atrativos que iam desde uma Kombi com encenação sobre Revolução de Stonewall e tentativa da 1ª Parada LGBTI do Brasil, alas diferentes grupamentos militantes, e mais de 5 trios elétricos com diferentes atrações.

Dois pontos marcantes da Parada desse ano foram as gigantescas bandeiras do arco-íris: a já tradicional colorida, que nesse ano recebeu 2 faixas pretas transversais, que representavam a criminalização da homofobia, com o tema “Racismo é crime. Agora LGBTIfobia também é! Obrigado movimento de negras e negros”; e bandeira do arco-íris amarelo, em homenagem ao Setembro Amarelo, mês da luta na prevenção ao suicídio.

Foto: Gustavo Bresciani / Popline

A folia também foi guiada por diversxs cantorxs que fizeram shows em diferentes trios ao longo da marcha. Pabllo Vittar e Lexa se apresentaram no trio da parceria entre a plataforma de venda de passagens Buser e o portal POP Line.

Foto: Gustavo Bresciani / Popline

Foto: Gustavo Bresciani / Popline

No trio da parceria entre a Universal Music Brasil e o bar-balada Pink Flamingo se apresentaram As Bahias e a Cozinha Mineira, MC Rebecca, Clau, Gabily, Brunelli, Carol Biazin e Day, com direito a uma canjinha do grupo drag As Baphônicas.

Foto: Gustavo Bresciani / Popline

Sempre em busca da queda do preconceito, através do respeito, as Paradas do Orgulho LGBTI tentam conscientizar aqueles que ainda não entenderam que somos todos iguais, independente da nossa forma de amar. Se tem uma coisa que a 24º Parada do Orgulho LGBTI do Rio de Janeiro deixou bem claro, sem dúvidas, é nós vamos sempre AMAR SEM TEMER!

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos, designer gráfico, editor de vídeos, dono de concursos drag e o mais novo colaborador para conteúdos sobre diversidade LGBTQIA+ para o portal Pheeno.com.br