Brasil se torna um dos principais refúgios pra LGBTs

Apesar de tudo, ainda podemos amar SIM!

Vítor Lopes Andrade, Doutorando na School of Global Studies, lança livro sobre sua pesquisa, onde aponta o Brasil como um dos principais refúgios para LGBTs estrangeiros.

Relação sexual consentida entre pessoas do mesmo sexo é considerada crime em 70 países, em muitos deles, gays, lésbicas e bissexuais são torturados e podem ser punidos com prisão e até mesmo com pena de morte.

Buscando viver sua vida sexual e amorosa em condições melhores, muitas pessoas deixam tudo pra trás e buscam refúgio em outros países, o Brasil é um desses destinos, especialmente para africanos nessa situação.

No livro “Refúgio por motivo de orientação sexual: um estudo antropológico na cidade de São Paulo”, que foi lançado nesta quinta-feira, dia 05/12, em São Paulo, o antropólogo brasileiro Vítor Lopes Andrade demonstra o resultado de sua pesquisa de doutorado, que tem como tema principal a vida de refugiados LGBTs.

O autor é doutorando na School of Global Studies da University of Sussex, na Inglaterra, e em sua obra analisou a legislação sobre o tema, entrevistou funcionários de abrigos e acompanhou o dia-a-dia de 7 refugiados em São Paulo, como ir a uma aula de português, ou até mesmo a um culto evangélico africano.

Entre os entrevistados, um nigeriano que abandonou tudo e saiu do país quando homossexuais de sua região começaram a ser mortos a mando do líder da comunidade onde morava; uma camaronesa que foi agredida e ameaçada de morte quando um tio descobriu que ela é lésbica; e um congolês que saiu do país para “salvar a reputação da família” de pastores.

Na pesquisa, Andrade descobriu que até telenovelas também servem de estímulo para LGBTs se mudem para o Brasil, porém, ainda há muitos desafios para sua adaptação. “Imigrantes geralmente contam com duas redes de apoio principais: os conterrâneos e a família. Mas os refugiados LGBTs não, pois geralmente fogem das próprias famílias e sofrem discriminação de imigrantes heterossexuais”, conta o pesquisador.

No exterior, principalmente nos países onde ser homossexual é crime, existe uma ideia de que o Brasil é um país liberal, onde quem não é heterossexual consegue viver sua sexualidade “em paz”. Existe também uma relação histórica do Brasil com a África, além disso, até poucos anos atrás o Brasil era bem visto internacionalmente, do ponto de vista de economia e política externa.

“Na pesquisa, vi dois casos emblemáticos. Um refugiado que assistia a telenovelas brasileiras exibidas nos países africanos com personagens gays e lésbicas, e outro que decidiu vir para cá depois que o STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou uniões estáveis para pessoas do mesmo sexo” comenta Vítor.

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos e redator colaborador de conteúdos sobre diversidade LGBTI+ do portal Pheeno.com.br! #MandaAssunto