Secretário parlamentar é expulso de carro por motorista da 99 e agredido por PM após beijar namorado

O secretário parlamentar Eliseu Neto denunciou ter sido expulso de um carro por um motorista de aplicativo após beijar o namorado. Ele também afirmou que foi agredido por um policial militar, no sábado (04/01), no Recife. O psicólogo e ativista prestou queixa, pela internet, neste domingo (05/01).

Eliseu Neto foi responsável junto ao partido Cidadania no Senado pela ação no Supremo Tribunal Federal que resultou na transformação da LGBTfobia em crime análogo ao racismo. Morador de Brasília, no Distrito Federal (DF), ele chegou à capital pernambucana no dia 24 de dezembro para aproveitar o recesso com o namorado, o técnico em segurança do trabalho Ygor Higino. Tudo começou, segundo Eliseu, após um beijo entre os dois dentro de um carro solicitado pelo aplicativo 99 Táxi.

Segundo Eliseu, a corrida foi interrompida alguns minutos depois de eles entrarem no carro, na Avenida Conde da Boa Vista, perto do número 1285. O secretário parlamentar contou que o namorado fez uma brincadeira e os dois se beijaram. “O motorista disse que não queria isso no carro dele e mandou a gente descer. Eu disse que ia tirar uma foto do carro e denunciar para o aplicativo e que homofobia é crime”, lembrou.

Eliseu Neto disse que o motorista parou uma viatura da Polícia Militar, mas não foi possível ouvir o que ele disse para os policiais. “Um policial chegou alterado. Pedi a identificação e ele me empurrou no chão. Meu namorado ficou nervoso, já que ele tinha uma arma. Tiramos fotos e fomos embora”, contou. Mesmo depois de registrar a ocorrência pela internet, o secretário parlamentar pretende formalizar a queixa presencialmente na segunda-feira (06/01) e registrar uma denúncia contra o policial do 16º Batalhão de Polícia Militar (BPM) na Corregedoria da Secretaria de Defesa Social.

Em resposta, a 99 afirmou que este tipo de atitude não é aceito pela plataforma: “Seguimos com todas as informações repassadas à vítima e informamos que, após análise, o motorista foi descredenciado do aplicativo”.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!