Jornalista da CNN dá show de homofobia ao vivo e afirma: “Gays têm maiores chances de ter Aids”

Foto: Reproduçção/CNN Brasil

O jornalista Leandro Narloch virou um dos assuntos mais comentados das redes sociais por conta de um comentário feito por ele durante a exibição do programa “Live CNN” desta quarta-feira (08/07). Leandro afirmou ao vivo que a decisão do Supremo Tribunal Federal que libera que homossexuais doem sangue representava uma “mudança pequena” na sociedade e que “gays têm uma chance muito maior de ter Aids”.

“A mudança na verdade é pequena, ela vai restringir mais a conduta, e não o tipo de pessoa, a opção sexual (sic) do indivíduo. Toda essa polêmica começou porque, não há dúvida disso, os gays, os homens gays, eles têm uma chance muito maior de ter Aids, né? Em 2018, uma pesquisa mostrou que 25% dos gays de São Paulo eram portadores de HIV”, disse Narloch, sem citar a fonte da pesquisa em questão.

“Mesmo que esse número seja exagerado, e de fato ele parece mesmo exagerado, o fato é que é dezenas de vezes maior, maior a chance do que na população geral. A questão é que outros critérios para exclusão já restringem os gays que têm comportamento promíscuo, né?”, continua o comentarista, piorando mais ainda a situação.

Os apresentadores do programa, Marcela Rahal e Phelipe Siani, ficaram sem reação diante das frases ditas pelo comentarista. “Bom, é… A gente acabou de falar sobre essa mudança de protocolo. 2020 e só agora a gente teve retirado de fato esse impedimento de homossexuais fazendo doação de sangue”, falou Siani. “Gente!”, limitou-se a falar Marcela, mudando repentinamente de assunto. Nas redes sociais, Narloch foi detonado e sua fala classificada como homofóbica.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!