Justiça decreta prisão preventiva de acusado de agredir homossexual com lâmpada fluorescente

Há quatro anos, no dia 15 de novembro de 2010, um grupo de cinco jovens de classe média realizaram uma série de ataques homofóbicos na avenida Paulista. Entre eles, estava o estudante Jonathan Lauton Domingues, na época então com 19 anos. Passado os cinco anos, a 1ª Vara do Júri do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) decretou na última quarta-feira (19) a prisão preventiva de Jonathan Lauton Domingues.

Agripino Magalhães, ativista do movimento LGBT, conta que a prisão de Jonathan Lauton Domingues é uma grande vitória para a comunidade gay. “É uma sede de justiça que se sacia depois de 4 anos. Aqueles jovens foram agredidos gratuitamente. O crime de ódio é um dos piores crimes, porque é alguém te atacar só pelo simples fato de ter a sua condição sexual diferente das demais”, declarou Agripino.

Jonathan é apontado como o agressor direto de Luis Alberto Betonio. A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) afirma que, até esta sexta-feira (30), Domingues ainda não havia sido preso e que ele já é considerado foragido. Segundo o site “UOL”, a Divisão de Capturas foi notificada sobre a decisão judicial no dia 19 de janeiro. Na decisão, o juiz afirma que “o mandato de prisão expedido estava pendente de cumprimento há tempos”.

Veja o vídeo da agressão e uma entrevista de Luis Alberto para o “Fantástico” em 2010…

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!