Lia Clark tem clipe de “Boquetáxi” censurado e desabafa: “Quero igualdade e respeito”

Lia Clark lançou nesta terça-feira (25/07) o sucessor do clipe de “Chifrudo”, “Boquetáxi”. Apesar do sucesso, o vídeo despertou a raiva de alguns internautas, que denunciaram a produção e acabou ganhando restrição. A partir de agora, apenas maiores de 18 anos podem assistir ao vídeo.

Chateada com o ocorrido, a drag queen usou o seu perfil oficial no Instagram para comentar sobre a censura. “Hoje acordei com a triste notícia de que o vídeo foi automaticamente removido da lista de vídeos em alta e não foi por ter caído de posição, o que é um processo natural, mas sim pq ele foi marcado como restrito por conteúdo impróprio para menores de 18 anos por conta do número alto de denúncias do público heteronormativo”, explicou Lia.

“Eu poderia listar milhões de vídeos/músicas cis-héteros brasileiros que constam no youtube com nudez e palavrões nos quais não consta a tal restrição de +18. Isso sem mencionar as traduções das músicas de vídeos internacionais. Porém, não vou apontar o dedo pra ninguém, só quero deixar explícito que isso é LGBTQfobia”, continuou.

“Hoje eu estou reclamando por ser silenciada pelo Youtube mas amanhã coisa muito pior pode acontecer com outra pessoa. Obrigado pelo apoio, estamos tentando reverter a situação”, encerrou a artista.

Confira a declaração completa

Ontem à tarde eu lancei meu novo clipe "Boquetáxi" no Youtube e a repercussão do vídeo foi enorme. Fiquei muito feliz e conseguimos alcançar o #1 dos vídeos mais vistos do dia. Hoje acordei com a triste notícia de que o vídeo foi automaticamente removido da lista de vídeos em alta e não foi por ter caído de posição, o que é um processo natural, mas sim pq ele foi marcado como restrito por conteúdo impróprio para menores de 18 anos por conta do número alto de denúncias do público heteronormativo que o vídeo atingiu com tamanha exposição. Vocês podem estar pensando que é por causa da bunda no clipe e/ou letra da música ou até concordando com o bloqueio do youtube, porém, o buraco é bem mais embaixo. Eu poderia listar milhões de vídeos/músicas cis-héteros brasileiros que constam no youtube com nudez e palavrões nos quais não consta a tal restrição de +18. Isso sem mencionar as traduções das músicas de vídeos internacionais. Porém, não vou apontar o dedo pra ninguém, só quero deixar explícito que isso é LGBTQfobia. E este preconceito não está vindo exclusivamente dos cis-heteros, mas também dentro da nossa comunidade, que acaba acreditando que se enquadrar aos padrões de higienização impostos por nossos opressores é uma questão de respeito. Não, não é! Respeito é tratar todos de forma igualitária. E não, eu não estou pedindo pra gostarem/consumirem o meu trabalho, eu só quero igualdade e respeito. Eu tenho direito de fazer o meu trabalho como todos eles. Eu tenho noção que a forma que me expresso nas minhas músicas não é a que "a grande massa" espera de um músico, mas eu tenho direito de fazer o trabalho da minha maneira e isso não deslegitima a luta de ninguém. Eu cantar “Boquetáxi” e pedir respeito não é hipocrisia. O macho cis-hétero que canta funk proibidão não é julgado da mesma forma que eu e continua lá no Youtube livre de qualquer restrição que atrapalhe seu trabalho. E o pior é que muita gente não consegue enxergar isso, a LGBTQ+fobia é real e não é brincadeira. Hoje eu estou reclamando por ser silenciada pelo Youtube mas amanhã coisa muito pior pode acontecer com outra pessoa. Obrigado pelo apoio, estamos tentando reverter a situação! Amo vocês????????

Uma publicação compartilhada por Lia Clark (@xliaclark) em

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!