Servidor do IBGE que sugeriu “cura gay” no Facebook diz que teve conta hackeada: “Não foi eu”

O servidor do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que causou polêmica nas redes sociais, após fazer uma postagem homofóbica, nega que tenha feito a publicação e afirma que teve a conta hackeada e usada por outra pessoa.

A foto foi publicada em um grupo fechado do Facebook que, segundo o servidor, tem mais de 5 mil membros, e logo acabou repercutindo na internet. Na postagem, o servidor, que prefere não ter o nome divulgado, usou a foto de um bastão de beisebol com arame farpado, parecido com a “Lucille”, arma utilizada por Negan, vilão da série The Walking Dead. Na descrição, ele escreveu: “a cura gay existe”.

“Não fui eu. Alguém usou meu perfil para divulgar aquela palhaçada. Eu não vou postar uma coisa dessas, esse não é meu jeito de agir como pessoa. Não tenho preconceito nenhum contra gênero, religião, contra nada. Usaram minha conta para postar essa brincadeira de muito mau gosto”, se defende. O servidor diz que foi convidado para entrar no grupo onde foi feita a postagem, mas não chegou a aceitar a solicitação. Ele destacou ainda que o IBGE entrou em contato com ele pedindo uma explicação do caso.

“Não sei porque fizeram isso, eu queria muito saber e estou à disposição para prestar esclarecimentos. O IBGE já entrou em contato comigo e expliquei para eles que não fui. Estou com a consciência tranquila. Estou pensando seriamente em registrar um boletim de ocorrência, isso pode sujar a minha imagem, se já não sujou, não sei”, lamenta.

A situação, segundo ele, foi percebida apenas quando o Facebook enviou uma mensagem dizendo que um post dele foi bloqueado. No dia da publicação, o pedreiro disse que deixou o celular em uma quadra e foi jogar futebol. Nesse local, os moradores usam a internet wifi da Câmara de Vereadores. Após receber diversas ameaças com a repercussão, o pedreiro decidiu desativar o seu perfil na rede social.

Veja a nota completa do IBGE

Recebemos denúncias sobre um post homofóbico e de incitação à violência que teria sido publicado no Facebook por um servidor temporário do IBGE.

A instituição repudia fortemente este tipo de conduta e informa que já está verificando a situação para tomar as medidas cabíveis.

Agradecemos as mensagens que nos alertaram sobre esse comportamento inaceitável

.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!