Irmãos são indiciados por defender morte aos gays e criar irmandade homofóbica

grupo-homofóbico-pheeno-capa

Dois irmãos foram indiciados acusados de defender mortes de homossexuais no Piauí, na última sexta-feira (26/02). Segundo o delegado titular da Delegacia de Direitos Humanos e Repressão as Condutas Discriminatórias, Emir Maia, Dijael Verissimo de Sousa e Lucas Verissimo de Sousa vão responder pelos crimes que incitam à discriminação e ainda veicular a suástica nazista, que está incluído na lei de racismo.

O grupo Matizes, que defende os direitos LGBT, denunciou a atuação de uma suposta “irmandade homofóbica” em Teresina, em fevereiro 2014. O grupo estaria distribuindo bilhetes escritos à mão pedindo a morte de homossexuais. Este suposto grupo estaria ainda recrutando seguidores e utilizavam em seus bilhetes um desenho do símbolo nazista.

No bilhete, a mensagem dizia: “morte aos homossesuais. IMHO Irmandade de Homofobia” e ainda deixava o número de telefone para os interessados procurassem para fazer a sua “filiação”ao grupo. O bilhete foi entregue ao delegado, que abriu inquérito para investigar o caso. Uma das vítimas foi Marinalva Santana, uma das fundadoras do grupo Matizes.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!