PM que desejou morte de soldado gay nega ser autor de mensagem: “Fui hackeado”

O policial militar Renato Nobile negou em entrevista ao programa Conexão Repórter, do SBT, nesta segunda (09/07) ser o autor das mensagens de ódio publicadas em seu perfil no Facebook contra o soldado Leonardo Prior, que passou a receber ameaças após um vídeo no qual aparece fardado e beijando outro homem no metrô viralizar na internet.

Por telefone com a produção do programa, Nobile afirmou que tudo não passou de uma armação que fizeram contra ele, e que seu Facebook provavelmente foi invadido por hackers. Ainda durante a conversa, ele assegurou que nunca teve qualquer problema com gênero, que está sendo perseguido e não faz ideia de quem postou aquilo nas suas próprias redes sociais.

Na publicação, Nobile pede a morte Pior a pedradas! “Desgraçado! Desonra para minha corporação. Esse tinha que morrer na pedrada! Canalha safado!”, disparou xingando também aqueles que não concordem com o seu posicionamento. “Se alguém não gostar desse comentário Foda-se! Você também!”, finaliza.

O soldado da polícia militar Leandro Prior pediu afastamento médico no último dia 29, após o vídeo no qual aparece fardado e beijando outro homem no metrô viralizar nas redes sociais. Segundo ele, o ataque o deixou tremendamente abalado a ponto de ter que se internar em uma clínica de repouso.

COMUNICADO DA PM

Em nota, a Polícia Militar informou que “o policial procurou o serviço médico da instituição e foi encaminhado para tratamento de saúde, por isso está afastado”. A corporação acrescentou que “as ameaças feitas ao PM pelas redes sociais, com conotação homofóbica, estão sendo apuradas”. “Além da investigação, a instituição colocou à disposição do policial militar medidas protetivas, por meio do Programa PM Vítima, da Corregedoria”, conclui a nota.

A corporação informou ainda que “a conduta do PM fardado no Metrô captada em vídeo será apurada única e exclusivamente sob o aspecto administrativo, pois demonstra postura incompatível com os procedimentos de segurança que se espera de um policial fardado e armado, que exigem que esteja alerta”.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!