Gêmeos e transexuais, irmãos contam como foi passar pelo pelo processo de transição juntos

Jace e Jack Grafe, de 23 anos, são gêmeos inseparáveis ​​da Geórgia que fazem tudo juntos. Além de ter os mesmos amigos e os mesmos interesses, ambos estão passando pela experiência de transicionar de gênero juntos. Os dois nasceram biologicamente do sexo feminino, mas se identificam como homens.

Em entrevista ao Fox5 Atlanta, Jace e Jack contaram um pouco sobre todo o processo de descoberta, aceitação, transição e a saída do armário para a família. “Ter um corpo que não corresponde ao que você entende ser é como estar em uma prisão dentro do seu próprio corpo. Quanto mais velho eu ficava, mais difícil era de aceitar. Eu pensava: ‘Não posso ficar assim para o resto da minha vida, não posso!’”, disse Jack.

Segundo eles, ambos se abriram um para o outro sobre o assunto quando tinham 15 anos. “Foi muito mais rápido que de costume o processo porque com ele, eu tinha em quem me refletir e me apoiar. Cuidamos muito um do outro”, contou Jace. “Às vezes, eu me pergunto se ele não estivesse aqui, se eu estaria sozinho, se teria pensamentos suicidas. Não estou dizendo que eu teria, mas é muito possível. Eu ficaria definitivamente sozinho”, ressaltou Jace sobre a importância de ter seu irmão ao lado.

Quando tinham 21 anos, os dois começaram a terapia hormonal juntos. Agora, com 23 anos, os dois passaram pelo processo de mastectomia masculinizadora, cirurgia que consiste na retirada dos tecidos mamários e desenho para peitoral masculino. Hoje, os dois já tem todos os documentos retificados. “É o maior alívio da vida que posso sentir desde então!”, disse Jack, ao que Jace completou: “Estou feliz de finalmente poder sair por aí sendo exatamente quem eu sempre soube que era!”.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!