Drag carioca é uma sereia sedutora de boys magia em novo videoclipe

Cantando pra causar

Velma Real, drag carioca interpretada pelo ator Caio Godard (25 anos), lançou seu segundo clipe há pouco mais de uma semana (16/06/19). Com produção de Leo Rocha, a cantora contou com a ajuda de diverssxs amigxs, tanto na produção, como na figuração – no caso, os ‘boys maiga’. Em uma exclusiva, bem descontraída, Velma nos contou sua inspiração e interpretação do vídeo, além, é claro, de algumas curiosidades sobre sua carreia e planos pro futuro.

Velma surgiu nos palcos do Teatro Serrador, onde protagonizei “Kinky Boots” como drag queen, antes disso levava minha vida apenas como ator de teatro musical.
Desde então passou a ocupar vários lugares do teatro, enquanto drag, como por exempplo, fazendo “Rapsódia” – que considera ter muita influência na sua personalidade enquanto drag, “foi o primeiro trabalho que fiz já me enxergando como drag“. Atualmente o Caio, que dá vida à Velma, está em cartaz em São Paulo fazendo “Pequena Sereia”, “sou completamente apaixonada por fazer a Úrsula. Vai ter drag no teatro infantil sim”, expressa a drag, cantora e atriz.

“O projeto ‘Tem Magia‘ é um projeto que vou guardar pra sempre com carinho no meu coração. Tenho comigo um time de profissionais que admiro MUITO! São eles André Sigom, Wagner Monaco e Leo Rocha. Os dois primeiros são os responsáveis pelo resultado da música e o terceiro pelo clipe”, conta Velma.
O clip conta com todo o misticismo que envolve a famosa criatura do mar, a sereia. Apesar de não aparecer caracterizada como uma, Velma entrega pequenas referências tanto na letra da música, como no clipe, que permeiam esse universo aquático, da voz que encanta e de toda essa força que as sereias exercem sobre os homens.

Além de dar vida à Velma, o que mais Caio Godard faz?
“Trabalho na Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, dou aulas de teatro e atuo aos finais de semana. Que horas eu consigo dormir? Nem eu sei (risos).”

Por que Velma Real?
“Antigamente era Velma BlackHeart, depois virou só Velma. Num concurso do Teatro Rival, a Leandra Leal (dona do concurso) me anunciou como Velma Real que é meu instagram. Acabei achando o nome interessante e assim mantive. Hoje em dia não me imagino sem o ‘Real’.

Onde está Velma Blackheart?
“Em um passado distante (risos).”

Quais as principais inspirações pra sua drag?
“Mulheres que admiro muito, minha mãe, minhas irmãs, minha avó, e algumas famosas pelo empoderamento como Cláudia Raia, Danielle Winnits, Mariah Carey e Lady Gaga. Todas essas mulheres citadas podem ser tidas como loucas, ‘estrelas’, mas uma coisa elas nunca foram em suas vidas: covardes.”

Você ficou mais conhecida depois do seu primeiro single, Puro Veneno, correto?
“Não sei se mais conhecida, mas consegui atingir uma galera que até então não conhecia meu trabalho. Conto com a ajuda de muita gente que da suporte ao meu trabalho. Isso é a coisa que mais sou grata. Ninguém faz nada sozinho. Essa foi a maior lição que o teatro me deu.”

Agora falando do seu primeiro single de trabalho, “Puro Venento“, por que uma música com rap? Por que um cantor trans na parte do rap?
“Sobre o rap, acho que é enriquecedor artisticamente ter essa mistura de “texturas” na música. Quanto ao cantor trans, podemos definir como visibilidade. O Kaique é uma pessoa apaixonante, todo mundo que conhece sabe. É muito triste saber que ele não tem espaço e trabalho por falta de visibilidade. Eu tinha condição de proporcionar isso em “Puro Veneno”, não pensei duas vezes.”

Você já se considera famosa enquanto drag?
“De forma nenhuma. Tenho um nicho que me conhece, assim como outras drags que participam de concursos pelo Rio de Janeiro. Descobri recentemente que “Puro Veneno” toca o dobro de vezes em São Paulo do que toca no Rio, o que é muito louco pra mim. Acho que eu tenho muito pra conquistar ainda. Fico feliz de estar na busca e prometo continuar até o momento que fizer sentido pra mim. Estou a disposição da minha arte.

Qual vôo mais alto que fama já proporcionou à Velma Real?
“Não sei ao certo responder por não ver esse feedback dessa forma. O que posso garantir é que cada conquista é um “vôo alto” pra mim.”

Onde Velma Real quer/pretende chegar ainda?
“No momento quero conquistar mais e mais público. Quero atingir as pessoas pra que a arte drag como um todo seja cada vez mais consumida.”

Voltando a falar sobre “Tem Magia”, a composição da letra é sua? Só Sua?
“Foi uma composição entre mim, Wagner Monaco e André Sigom. Esses dois gênios fizeram meu sonho se tornar realidade. Quero cada vez mais elevar o nível de qualidade do meu som e eles são as pessoas certas pra tornar isso real.”

É nítido, nos seus dois singles, que eles são, musicalmente falando, diferentes do pop que está sendo produzido hoje em dia, por que desse diferencial?
“Muita gente me questiona isso. O que eu quero é ter identidade, ter um diferencial. Seja ele amado ou rejeitado pela grande massa. A Pabllo é a prova de que isso funciona. O som dela é muito diferente de qualquer outra coisa que a gente estava escutando antes dela surgir na cena. O próprio álbum “ARTPOP” da Lady Gaga ,que é considerado por muitos um grande fracasso, pra mim é uma grande obra de arte. Quero achar quem eu sou nesse segmento. Se fosse pra fazer o que todo mundo já faz eu nem teria começado a fazer drag.”

Sobre o processo de produção da música, você já chegou com uma ideia pronta e, juntos, seguiram a diante, ou houve muita mudança da sua ideia inicial até a finalização da faixa?
“Minha ideia é produzir 4 faixas com clip dentro do estilo de “Tem Magia”. A ideia é que essas quatro faixas juntas sejam um grande projeto com um tema em comum (que eu não vou revelar agora). Adianto que a mensagem está debaixo de várias camadas.”

Tenho a impressão de que, apesar da produção não ser tão usual, a letra parece ter sido concebida pra enlouquecer os ouvintes, essa dualidade entre não produzir um “pop farofa”, mas, ao mesmo tempo, fazer o que chamamos de “letra chiclete” é intencional?
“Faz parte do conceito da música. Sobre essa voz que encanta, que faz enlouquecer, que enfeitiça. Independente do gênero musical, um bom refrão nunca é demais.”

O que te motivou a escrever “Tem Magia”?
“A temática por si só me fascina. Definimos o conceito em conjunto de cada uma das 4 faixas e quebramos a cabeça pra deixar “subjetivo” cada uma dos subtemas.”

Você pode nos contar um pouco sobre seu processo de criação? Quanto tempo demorou?
“Demorou por volta de 3 meses desde a concepção da música até o final do clipe. Eu, Wagner e André nos reunimos 2 vezes pra conversar sobre letras, melodias e, a partir do 3º encontro começamos a gravar vozes guias, vocais , coro e afins. O Wagner foi o responsável pela criação do beat, do instrumental e afins. Depois disso sentei com o Leo Rocha que assina a direção dos meus clipes. Foi um processo muito gostoso!”

Sobre o processo de produção musical em si, era o que você imaginava? Foi fácil pra você entrar num estúdio e dar voz à sua segunda faixa? Nos conte um pouco como você se sentiu/se sente em relação a ter se tornado uma cantora fora dos palcos dos musicais.
“Essa música deu mais trabalho que “Puro Veneno”, sinto que por já ter uma música, a responsabilidade aumenta. As pessoas esperam evolução! Eu tive uma dificuldade em me enxergar cantora no começo. Minha primeira formação é como ator, cantar foi uma consequência do teatro musical e dos caminhos que percorri.”

Quanto tempo, ao todo, Tem Magia levou pra ficar pronta? do momento em que você resolveu compor, correr atrás de produção, idas e vindas do estúdio, até, de fato, vê-la lançada nas redes de streaming?
“Três meses de pura batalha (risos).”

Do primeiro dia que você colocou uma maquiagem no rosto, uma peruca na cabeça, até o dia oficial do lançamento de “Tem Magia”, em algum momento, você já se via nessa posição/ocasião, de estar lançando seu segundo single?
“De forma nenhuma! Hoje em dia posso dizer que não enxergo minha vida sem Velma. Todo e qualquer plano que eu pense pro futuro, ela está envolvida. Sou muito grato por todas essas drags que vieram antes e criaram esse espaço onde eu pudesse existir expondo a minha arte.”

Qual o próximo passo de Velma Real?
“Antes de bater um martelo to entendendo que espaços podemos ocupar enquanto drags. Quero fazer de tudo um pouco.”

Pra finalizar: Velma Real por Velma Real?
“Chegando pra causar, sempre!”

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos, designer gráfico, editor de vídeos, dono de concursos drag e o mais novo colaborador para conteúdos sobre diversidade LGBTQIA+ para o portal Pheeno.com.br