Governo do Amazonas cria Comitê de Saúde LGBT

Seria nosso sonho que todos os estados respeitassem a gente assim, nenóm?!

Na última terça-feira, dia 12/11, foi assinada a Portaria que criou o Comitê de Saúde LGBT do Amazonas, pelo Secretário Estadual de Saúde Rodrigo Tobias, durante o III Congresso de Saúde LGBT que está acontecendo na Escola Superior de Ciências da Saúde (ESA), que teve início na terça (12/11) e termina esta quarta (14/11).

O Comitê, que é formado por profissionais da Secretaria Estadual de Saúde (Susam), Secretaria Municipal de Saúde (Semsa Manaus), da UEA e da sociedade civil organizada, vai tratar se assuntos referentes às políticas de atenção ao público LGBT+.

A assinatura da Portaria foi o ápice do evento, na noite de abertura, que também contou com a presença da promotora do Ministério Público Estadual, Silvana Nobre, entre outros convidados.

Rodrigo Tobias destacou os avanços alcançados este ano na política de saúde LGBT, a partir da criação da Coordenação Estadual na Susam e do comitê intersetorial. “A institucionalização do comitê e da coordenação faz com que a política aconteça de fato. Temos o dever de avançar com os direitos já adquiridos, mas para isso precisamos preparar os profissionais, capacitar as equipes. O Comitê é o Fórum para a discussão e aprovação das ações nesse sentido daqui por diante”, disse o secretário.

Com o tema “Capacitação dos Profissionais de Saúde sobre a Política Nacional de Saúde LGBT”, durante os três dias de evento estão sendo realizados minicursos, mesas redondas e atividades que visam a capacitação do profissional de saúde, desde o atendimento até acolhimento e identificação das especificidades desse público.

Em parceria com a Universidade do Estado do Amazonas (UEA), por meio do programa Telessaúde Amazonas, o congresso está sendo transmitido para os 62 municípios do Estado e 5 comunidades Indígenas.

Presente na abertura, o reitor da UEA, Cleinaldo Costa, falou sobre a necessidade de acabar com a invisibilidade que acontece quando não se reconhece o direito à diversidade de gênero. “O papel da universidade é formar profissionais que defendam o direito à diversidade”, disse.

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos e redator colaborador de conteúdos sobre diversidade LGBTI+ do portal Pheeno.com.br! #MandaAssunto