Travesti é xingada e espancada a pauladas no meio da rua: “Ninguém me socorreu”

A travesti Ana Corolina Leal, de 26 anos, foi mais uma vítima da transfobia. A jovem foi agredida violentamente por dois homens em Suzano, região metropolitana de São Paulo. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o exato momento da agressão, que aconteceu na tarde do sábado (22/02) de carnaval. Os agressores estão foragidos.

Em depoimento à Agência Record, a vítima disse que estava indo ao mercado quando foi hostilizada pelos agressores. Após as provocações dos rapazes, ela também os xingou e seguiu ao seu destino. Ao retornar, os dois homens continuaram a ofendê-la e ao responder aos xingamentos, foi atacada. As imagens mostram um homem segurando Ana Carolina, enquanto outro a bate com um porrete. Apesar da cena de violência, nenhum morador socorre a vítima. Ana afirmou que os agressores só pararam de bater nela depois que estavam cansados e ela estava desmaiada no asfalto.

“Ainda bem que estou viva. É triste, mas a gente que é travesti passa por isso. Tenho o direito de ir e vir, não porque eu sou travesti que eu tenho que ficar trancada em casa. Eu não sou bicho. Ninguém me socorreu, me bateram até cansar”, revela. Uma amiga que mora perto do local da agressão a socorreu e levou para casa. Em seguida, elas ligaram para a polícia. Ao chegarem no local, os agressores tinham fugido. Ana disse à Agência Record que levou ferimentos severos nas costas, na cabeça , nas pernas e nos braços e que ficou sem conseguir andar por uma semana. Ela ainda disse que não foi a um hospital porque estava sem documentos.

A vítima disse que não conhecia os dois homens e que não fez boletim de ocorrência porque acha que a polícia “não respeita os transexuais e não iria investigar o caso com profissionalismo”. Segundo a Agência Record, a Polícia Civil disse que não tem registro de ocorrência e por isso não iniciou nenhuma investigação.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!