Em entrevista para a Billboard, Pabllo Vittar fala sobre representatividade e sucesso internacional: ‘estamos conquistando nosso espaço’

Sem dúvidas ela foi longe demais!

A “drag superstar brasileira” Pabllo Vittar foi assunto no site da revista musical mais respeitada do mundo.

Mesmo não sendo fluente em inglês, nem em espanhol, Pabllo deu uma entrevista exclusiva para o site da Billboard, que foi ao ar neste sábado, dia 04/04. “Às vezes eu estrago tudo com meu cérebro, mas continuarei estudando e não tenho vergonha de pronunciar mal ou cometer erros, porque é assim que aprendemos alguma coisa na vida”, disse a artista.

Com o sucesso do lançamento de ‘111’, terceiro álbum da cantora, Pabllo foi convidada pela revista americana para falar sobre seu novo álbum, suas parcerias musicais, o sucesso internacional e quais serão os próximos passos de sua carreira.

Foto: ErnnaCost

Não é novidade que Pabllo adora misturar ritmos e sonoridades em suas músicas, porém, este é o primeiro álbum trilíngue da artista, com músicas em português, espanhol e inglês. “Eu fiz minha primeira turnê fora do Brasil no ano passado e pude perceber quantas pessoas que não falam português são meus fãs. Vê-los cantando minhas músicas em português, tentando aprender meu idioma para se comunicar comigo foi incrível. Então, decidi tentar aprender e começar a cantar também no idioma deles. Eu ainda estou aprendendo. Meu inglês e espanhol não são fluentes, mas eu posso cantar e me comunicar. Espero que eu possa aprender mais idiomas depois disso.”

Em um álbum cantado em três línguas, não poderiam faltar parcerias com artistas internacionais. A atual música de trabalho é ‘Tímida’, na qual Pabllo conta com a colaboração de uma das artistas mexicanas mais populares, Thalía. “Foi como um sonho que se tornou realidade. Eu a assistia nas novelas quando era criança e sempre a admirava como atriz e cantora. Ela é uma estrela.”

Fotos: ErnnaCost

Seguindo uma tendência mundial, Vittar não se prende a um único gênero musical e, de forma fluida, aposta em diferentes ritmos musicais pra embalar as faixas deste álbum. “Eu ouço vários gêneros super diferentes o tempo todo. Eu estava ouvindo house music, brega funk, techno, reggaeton, vários ritmos brasileiros diferentes. Sempre é uma mistura e eu adoro isso. Os artistas precisam fazer o que está em seus corações. Para mim, esse é o ponto principal de qualquer coisa. Eu não faço nada pensando na indústria ou nas paradas (de sucesso), eu faço a música e a arte que vivem dentro de mim. Então, testar os gêneros e se aprimorar é importante, isso faz com que a música cresça, o mesmo acontece quando você mistura referências diferentes e cria algo novo. Tudo é válido quando está dentro do seu coração.”

Não há dúvidas de que Pabllo é a artista LGBT+ brasileira de maior notoriedade do momento. Nunca, na história da indústria audiovisual brasileira, qualquer artista LGBT+ alcançou o patamar no qual Vittar se encontra atualmente no Brasil e no mundo. “A indústria está crescendo e avançando, como deveria ser. Existem muitos artistas LGBTQ+ incríveis ao redor do mundo que não tiveram seu merecido reconhecimento. Vivemos em uma sociedade homofóbica em geral, mas estamos conquistando nosso espaço e não seremos silenciados.”

Foto: ErnnaCost

Vittar se tornou um símbolo da representatividade LGBT+ na indústria fonográfica e junto com a fama e sucesso, a cantora abre portar para outros artistas LGBTs através da sua visibilidade. Porém, ainda se faz necessário vencer o preconceito e promover mais a inclusão destes artistas de uma maneira geral. “As pessoas com poder devam investir, abraçar e acreditar no talento que têm à sua frente. Não é sobre gênero, não é sobre sexualidade. Nesse assunto específico, trata-se apenas de talento, e você sabe, nós temos muito talento.”

Aa cantora também teve sua carreira afetada pela pandemia da Covid-19 e cumpre quarentena, seguindo as recomendações da OMS. Ela contou na entrevista como tem sido esse período para ela: ”Estou usando esse tempo para me conectar ainda mais a mim e à minha família. Como faço turnês sem parar nos últimos três anos, não tenho muito tempo para estar com eles. Também cuidando da minha saúde e mente. Não me sinto afetada de maneira diferente agora por ser uma artista LGBT+, estou sendo afetada da mesma forma que todo ser humano no mundo agora.”

Foto: ErnnaCost

Em um site britânico, Pabllo revelou que “adoraria trabalhar com muitos artistas e produtores diferentes. Posso dizer Rosalía, Little Mix, BLACKPINK, Bad Bunny”, além de ter comentado como foi trabalhar com a cantora britânica Charli XCX na música ‘Flash Pose’, primeira faixa de trabalho do álbum ‘111’: “Charli é revolucionária, ela é a rainha pop mais experimental de todas! Foi ela quem trouxe a música pop para outro nível e me sinto abençoada e honrada por ter colaborado com ela. Flash Pose é a nossa terceira música juntos. Ela realmente abraçou a ideia, deu seu próprio toque à música e a tornou ainda melhor do que era antes”.

A cantora falou como foi gravar com os artistas com quem trabalhou neste álbum: “Eu sempre quero trabalhar com pessoas que admiro. Thalia é ‘La Reina’ da minha vida, eu a assistia na TV e Ivete é a artista mais incrível do Brasil! Além disso, sempre quero trabalhar com pessoas, tenho uma conexão especial e podemos compartilhar experiências e aprender um com o outro. Fazer música não é apenas fazer música, é criar experiências e compartilhar conhecimento. Os dois e também Charli XCX, Psirico e Jerry Smith me ensinaram muito durante esse processo e eu sou um super fã de todos eles.”

Foto: ErnnaCost

Vittar também disse o que os fãs podem esperar da versão ‘deluxe’ do seu novo álbum: “Vamos adicionar mais algumas músicas que estamos esperando ansiosamente para compartilhar com todos. Haverá algumas surpresas incríveis, eu prometo a você”.

Pabllo disse já estar trabalhando em novas músicas, buscando referências para seus próximos trabalhos e ensaiando as coreografias para a nova turnê. Ela também comentou seus planos para quando acabar a pandemia: “Eu também festejarei, com certeza! Sinto muita falta dos meus amigos, sinto falta de abraçá-los, sinto muita falta do contato humano. Então, vou fazer uma grande festa com todos os meus amigos e depois voltar ao trabalho. Sinto falta da turnê, também sinto falta da interação com meus fãs fora das mídias sociais. Então é isso, alguns dias festejando com meus amigos na minha cidade e voltando à estrada”.

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos e redator colaborador de conteúdos sobre diversidade LGBTI+ do portal Pheeno.com.br! #MandaAssunto