Visando combater o racismo na plataforma, Grindr anuncia que irá remover filtro de etnias

O Grindr anunciou nesta segunda-feira (01/06) que finalmente irá retirar os filtros étnicos das configurações de busca do aplicativo. Na próxima atualização, a plataforma, que há muito tempo vem sendo criticado pela função, não terá mais a opção de filtrar possíveis interesses pela etnia.

A decisão foi tomada em solidariedade aos protestos que ocorrem nos Estados Unidos em resposta ao assassinato de George Floyd, homem negro morto asfixiado após um policial branco pressionar o joelho em seu pescoço, em Minneapolis. O filtro de etnia permitia que usuários indicassem que tipo de perfil mais os interessava. Mesmo após campanhas contra o racismo, em 2018, Landen Zumwalt afirmou ao jornal britânico ‘The Guardian’, que ainda não estavam prontos para retirar a função e que o filtro poderia ajudar as minorias a se conectarem entre si.

“Nós nos posicionamos em solidariedade ao movimento #BlackLivesMatter e às centenas de milhares de pessoas queer e negras que logam em nosso aplicativo todos os dias. Nós não ficaremos em silêncio nem seremos inativos”, diz o anúncio feito no Twitter do Grindr. Apesar da remoção do filtro, os usuários ainda podem encontrar preferências em perfis. Já que o Grindr trabalha com um algoritmo que tende a personalizar o feed de acordo com as escolhas de interação anteriores no app.

Ver essa foto no Instagram

We will not be silent. Black lives matter. ⁣ ⁣ We were planning to announce our #PridePerseveres initiative today, but in light of the ongoing violence and injustices against our POC family, that no longer feels appropriate. How can we launch a month of celebration when so many of us are hurting? How can we celebrate Pride without acknowledging that we wouldn’t even HAVE a Pride month if it weren’t for the brave black, brown, trans, and queer folks whose uprising against the police at Stonewall gave birth to the modern LGBTQ+ rights movement? It is our responsibility to speak out against the hate and violence that such a vital part of our community continue to face.⁣ ⁣ We stand in solidarity with the #BlackLivesMatter movement and the hundreds of thousands of queer people of color who log in to our app every day. We will not be silent, and we will not be inactive. Today we are making donations to the Marsha P. Johnson Institute @mpjinstitute and Black Lives Matter @blklivesmatter, and urge you to do the same if you can (links in bio). We will continue to fight racism on Grindr, both through dialogue with our community and a zero-tolerance policy for racism and hate speech on our platform. As part of this commitment, and based on your feedback, we have decided to remove the ethnicity filter from our next release.⁣ ⁣ Tomorrow, we will announce our #PridePerseveres calendar, but in a different light. Yes, we can still come together in the spirit of Pride, but Pride this year has an added responsibility, a shifted tone, and a new priority that will be reflected in our programming—support and solidarity for queer people of color and the #BlackLivesMatter movement.

Uma publicação compartilhada por Grindr (@grindr) em

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!