Jovens detidas por beijo gay em culto pedem indenização de R$ 2 milhões a Feliciano

As jovens Yunka Mihura Montoro, de 21 anos, e Joana Arrabal Palhares, 19, estão pedindo na Justiça ao deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) uma indenização de R$ 2 milhões após terem sido detidas a pedido dele por se beijarem na boca. O caso ocorreu em setembro de 2013, durante o culto em São Sebastião, no litoral paulista.

“Essas duas precisam sair daqui algemadas”, disse Feliciano, sob aplausos dos evangélicos, que assistiam à cena por meio de dois telões instalados no local. As duas foram detidas, algemadas por agentes da Guarda Civil Municipal e levadas ao 1.º Distrito Policial de São Sebastião. Joana depois contou aos jornalistas que, antes de ser levada de camburão para uma delegacia com sua namorada, os guardas lhe deram dois tapas no rosto, debaixo do palco. O beijo, segundo elas, era uma forma de protesto contra a homofobia.

As jovens registram queixa de agressão e abuso de autoridade contra a Guarda Municipal. Daniel Galani, advogado das jovens, anexou fotos das duas com marcas vermelhas nos braços e barriga. De acordo com ele, “Tudo isso foi estimulado pela fala do deputado, que chamou as duas de ‘cadelas’ e ainda usou de persuasão para colocar a multidão contra elas”, afirmou. Joana passou por exame de corpo delito, onde foram encontrados hematomas nos braços e pernas. Segundo Daniel, a situação foi uma afronta gravíssima aos direitos humanos e à livre expressão. A assessoria do deputado informou que ele já foi informado sobre e está tranquilo.

Confira o vídeo do momento…

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!