Rapaz decide processar o Grindr após ser descriminado dentro do aplicativo

Cansado de sofrer preconceito dentro do Grindr, Sinakhone Keodara, um homem gay asiático de 44 anos, revelou em entrevista ao site Pink News que pretende processar o aplicativo de pegação gay após receber mensagens que consideras graves e racistas.

“Minhas experiências foram horríveis. Já recebi mensagens do tipo: Um asiático consegue ser dotado?”, disse ele à reportagem. E continuou: “Isso me machuca. Não consigo esquecer muitos absurdos que já li. Pago 14,99 dólares por este tipo de serviço? Como posso permitir que um aplicativo me oprima?”. Ainda na publicação, o rapaz afirma que já procurou o aplicativo denunciando perfis preconceituosos, no entanto, nunca obteve respostas.

Para Sinakhone, a plataforma deveria proibir perfis que propagam insultos como “não sou e nem curto orientais e/ou negros”. “Quero processar o aplicativo por permitir que isso aconteça, por perpetuar o racismo com pessoas asiáticas, negras, latinos e nada ser feito a respeito”, explicou à reportagem.

Sinakhone espera que com a sua atitude ele possa alertar o aplicativo para que tomem atitudes em relação ao preconceito dentro da própria plataforma. “Isso tem que parar! Eles permitem que isso aconteça. Espero que a justiça obrigue o Grindr a refazer seu aplicativo de modo a identificar e eliminar este tipo de mensagem e os perfis e usuários que as propagam”.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!