Preso na Turquia, francês gay é espancado e queimado com água quente por detentos homofóbicos

Fabien Azoulay, um judeu francês que cumpre 16 anos em uma prisão na Turquia foi assediado, espancado e queimado com água fervente por presidiários, denunciou sua família. O detido de 43 anos, que é gay, está há quatro anos na prisão por encomendar uma pequena quantidade da droga GBL durante uma viagem a Istambul. Ele não sabia que o produto havia sido proibido na Turquia alguns meses antes.

Suas condições de detenção são um atentado à dignidade humana”, disse Sophie Wiesenfeld, presidente do Comitê de Apoio Fabien Azoulay, ao site de notícias França 24. “Ele está sendo intimidado, seus companheiros de prisão estão lhe dizendo para se converter ao Islã e orar cinco vezes por dia. Ele também está sendo assediado por causa de sua sexualidade”, acrescentou Carole-Olivia Montenot, uma das advogadas de Fabian. Embora ele tenha tentado esconder sua sexualidade de outros presos, eles suspeitam que ele seja gay e o ameaçam regularmente com violência, a menos que Fabian renuncie à sua fé judaica, afirma sua família.

Montenot confirmou que seu cliente foi vítima de um ataque homofóbico em novembro de 2019. “Um companheiro de prisão sabia que era gay. No meio da noite, ele jogou água fervente por todo o corpo de Fabien, causando queimaduras de segundo grau. Ele teve que ser transferido para o hospital ”, denuncia a advogada. Em cartas a amigos e familiares, ele descreve as condições chocantes na superlotada prisão turca.

Fabien afirma que tem sido submetido rotineiramente a orações forçadas e violência física, e até testemunhou um assassinato. “Um cara teve a garganta cortada por um grupo de quatro sírios. Eu estava dormindo quando aconteceu, mas os gritos dos outros prisioneiros me acordaram. A visão de sangue por toda parte era assustadora, pior do que um filme de terror”, lembrou ele uma das cartas. “Eu soube mais tarde que o prisioneiro que morreu havia feito avanços sexuais contra um dos sírios e que, em nome de Alá, ele teve que pagar com a vida por causa de sua homossexualidade.

Os advogados de Fabian Azoulay relataram sua situação ao Ministério das Relações Exteriores da França, que convocou uma reunião de emergência. No entanto, ele foi transferido para outra prisão a 800 km de Istambul. “Ele está ainda mais isolado lá do que em Istambul”, disse Wiesenfeld. “A família dele não pode mais visitá-lo porque a área é cercada por jihadistas e é perigosa.” Uma petição online foi criada pedindo ao presidente francês Emmanuel Macron que intervenha e acelere o processo de repatriamento. Em apenas três dias, mais de 98 mil pessoas já assinaram.

Fabien disse à família que não sobreviverá a este, seu quarto ano de prisão”, disse Montenot. Em uma carta à família, ele escreve: “Quando eu olho para minha frase e leio ‘liberação: 23/05/2034’, meu coração bate forte. Eu não vou conseguir até então. Eu sei disso. Eu sinto. Não terei forças.

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!