Apenas 1% dos adolescentes trans destransicionam após iniciar tratamento médico, diz estudo

Apenas 1% dos adolescentes trans abandonam a transição após iniciarem tratamento médico, como bloqueadores da puberdade ou terapia de reposição hormonal, de acordo com um novo estudo. Publicado na revista médica Jama Pediatrics no início deste mês, o estudo revelou que de todos os menores de 18 anos encaminhados para um serviço de gênero para jovens na Austrália, entre 2014 e 2020, apenas 1% fez a destransição depois de começar a receber tratamento de readequação sexual.

O estudo contou com 548 menores de 18 anos encaminhados para o Serviço de Diversidade de Gênero do Serviço de Saúde Infantil e Adolescente, do Hospital Infantil de Perth durante esse período. Embora 29 pacientes (5,3%) tenham sido re-identificados com o sexo registado antes ou durante a avaliação, apenas dois (menos de 1%) o fizeram depois de começarem a receber bloqueadores da puberdade ou tratamento hormonal semelhante. Isto significa que mais de 99% daqueles que seguiram o tratamento com bloqueadores da puberdade não abandonaram a transição nem se arrependeram da sua escolha.

O estudo concluiu que “são necessários estudos de acompanhamento longitudinal, incluindo auto-relato qualitativo, para compreender os diferentes percursos da experiência de identidade de gênero”. Os resultados parecem desmentir as alegações feitas por grupos anti-trans de que o tratamento médico fisicamente reversível, incluindo bloqueadores da puberdade, deveria ser proibido para adolescentes trans, devido ao receio de que possam se arrepender da decisão mais tarde.

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe Sousa

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!

Você vai curtir!