Estudante de Medicina da UFRJ denuncia casos de homofobia na sala de aula

Um estudante de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) denunciou práticas homofóbicas em sala de aula. Gustavo Henrique Amorim, de 25 anos, relatou numa rede social diversos problemas que enfrentou durante o curso. Num dos casos, um professor teria pedido para ele ser menos “afeminado”. Outro, teria falado que “veado não pode fazer urologia”.

Ao tomar conhecimento da denúncia, o diretor da Faculdade de Medicina da UFRJ, Roberto Medronho, enviou um e-mail aos funcionários e estudantes com o texto de Gustavo e uma nota de repúdio à qualquer manifestação homofóbica. Medronho também criou um canal para o envio de denúncias anônimas: Quando recebermos denúncias, vamos abrir um inquérito para apurar e eventualmente punir os culpados.

Outra crítica de Gustavo também recebeu respaldo na diretoria da Faculdade de Medicina da UFRJ. O rapaz discursou na congregação do curso, a principal reunião da diretoria, e defendeu a criação de uma disciplina específica para o cuidado de LGBTs. O estudante afirmou que há questões específicas. “Queremos ser capacitados para orientar e tratar LGBT. Muitos dos médicos não sabem sequer o que é uma pessoa trans”. Medronho afirmou que a proposta foi bem recebida. Segundo ele, a disciplina pode virar eletiva já no próximo semestre caso um professor se disponibilize a ministrar.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!