Espanha terá primeiro asilo público para LGBTs do mundo

A cidade de Madri terá a primeira residência pública do mundo para homossexuais, um espaço que pretende ser uma nova experiência para aposentados que não se sentem à vontade nos modelos tradicionais de casa.

“Era preciso fazer algo para que estas pessoas pudessem viver o mais dignamente possível”, explicou à Agência EFE Federico Armenteros, que desde 2010 trabalha na “Fundación 26 de Diciembre: Mayores LGTB”, data prevista para a inauguração da iniciativa que funcionará em um prédio doado pelo governo da capital espanhola. A ideia é abrigar 66 moradores, contar com um centro de atividades diárias e, ao contrário das casas do tipo que existem em outros países, esta será feita a partir de “verba pública e a gestão será da Fundação”.

De acordo com Armenteros, a rejeição que esses idosos sofrem nas residências tradicionais da Espanha se deve ao fato de o local não estar preparado para a diversidade. Segundo ele, embora oficialmente a entrada seja permitida, essas pessoas não se sentem acolhidas. Conforme dados da Fundação, na Espanha 160 mil idosos homossexuais precisam ir para uma casa de convivência em algum momento da vida.

Além disso, segundo Federico, muitos idosos gays têm graves problemas de saúde mental porque “nunca foram compreendidos” e até hoje “são considerados doentes”. “É preciso fazer com eles um trabalho enorme”, explicou.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!