Documentário exibe as violências que a população LGBT sofre nos presídios brasileiros

Merecemos respeito, como todo ser humano!

São muitas as agressões sofridas pelas lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no sistema penitenciário brasileiro, que vão desde a ausência de uma ala específica para essa comunidade ao modo como são tratados pelos agentes públicos que atuam nos presídios e agressões vindas de outros presos não LGBTs. Ter o cabelo raspado, não poder realizar tratamento com hormônios, não ter acesso a exames médicos, sofrer assédio em troca de comida e ter o corpo violado por meio de agressões ou estupros são ’apenas’ algumas das muitas violências enfrentadas pelxs LGBTs presxs no Brasil.

O documentário “Passagens: ser LGBT na prisão” produzido pela ONG Somos – Comunicação, Saúde e Sexualidade durante a realização do projeto ‘Passagens – Rede de Apoio a LGBTs nas Prisões’, mostra relatos colhidos em 13 cadeias brasileiras, de julho a dezembro de 2018, pra levantar dados sobre essa população e construir um mapa do encarceramento LGBT, levantamento esse, até então inédito no país.

O documentário, que foi lançado em maio e financiado pelo Fundo Brasil de Direitos Humanos, visitou presídios no Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Mato Grosso, São Paulo e Ceará. Segundo Guilherme Gomes, coordenador e ativista da Somos, a ONG entrevistou não somente os LGBTs presos, mas também os funcionários dos presídios, além de ativistas e pesquisadores em todos os estados visitados, porém, somente os relatos da população LGBT presa aparece no curta.

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos e o mais novo colaborador para conteúdos sobre diversidade LGBTQIA+ para o portal Pheeno.com.br