Homem se prostitui para pagar pensão e é preso após levar calote

Um homem de 26 anos foi preso após procurar uma delegacia no Leblon, bairro nobre da zona sul do Rio, para reclamar o não pagamento de um programa que teria feito com um casal gay. Segundo informações do jornal O Dia, policiais registravam a ocorrência quando descobriram que ele devia cerca de R$ 12 mil de pensão ao filho, de 6 anos.

Paulistano, ele afirmou que veio ao Rio para “uma temporada lucrativa”. “Sou casado, minha esposa sabe o que eu faço. Por conta da crise financeira passei a me prostituir. Pago minha faculdade, meu apartamento e tento ajudar o meu filho. Eu paguei parte da pensão para a mãe dele, mas a justiça ainda não deu a baixa no mandado”, disse ao O DIA, na delegacia. Ainda segundo Felipe, que usa esse nome nos programas, ele chega a arrecadar com essa atividade entre R$ 10 mil a R$ 15 mil por mês.

No depoimento, ele afirma que foi vítima de um golpe, ao ser contratado por um brasileiro que supostamente queria realizar uma fantasia sexual do marido, um suíço, que não sabia até então do serviço contratado. O programa durou cerca de 48 horas, de acordo com o homem. No entanto, assim que terminaram, o brasileiro teria dado apenas R$ 50 para que ele pagasse um táxi, mas não acertou o valor combinado pelo programa, que, pela duração, já passava de R$ 5 mil.

“Começou a escrever no Whatsapp que eu estava ameaçando, que eu tinha invadido o apartamento dele, e que iria chamar a polícia. Disse: ‘vamos na polícia’”, afirmou. Chegando na 14ª DP(Leblon), os dois, brigando no balcão, contaram suas versões. A polícia, então, mandou chamar o cônjuge suíço, que nada sabia. O suíço propôs ao jovem pagar metade do programa que o marido estava devendo, e ele aceitou. A ocorrência por estelionato acabou não sendo registrada. Mas, como havia mandado de prisão em aberto contra ele, por não pagar pensão, o rapaz ficou detido.

Ele ficou detido em uma cela da delegacia. Antes de ser encaminhado para o local, conseguiu fazer uma ligação para a esposa contando o que tinha ocorrido. “Neguinha, vou ter que ficar aqui até tudo se resolver”, lamentou ao telefone.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!