Novo medicamento pra infecção pelo HIV permite o uso de 1 única pílula

Mais uma vitória no tratamento do HIV!

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou um novo medicamento, em uma única pílula para o tratamento de infecção pelo vírus HIV-1, tanto em adultos, como em crianças com mais 6 anos de idade e com peso maior ou igual a 25 kg.

O Biktarvy® demonstrou eficácia, segurança e poucas interações com outros medicamentos, durante os testes clínicos exigidos para sua liberação. Produzido pela Gilead Sciences, a pílula é composta por 3 princípios ativos: bictegravir, entricitabina e tenofovir alafenamida; e pode ser ingerida, também, em jejum, se adequando completamente à rotina des pacientes. O registro do Biktarvy® na avisa aconteceu no dia 24/11 e foi reaprovado neste domingo, dia 01/12, dia mundial da luta contra a AIDS.

Além de antirretrovirais de outras classes: entricitabina e tenofovir alafenamida (TAF), o novo medicamento também é composto por um novo inibidor de integrase (INSTI), o bictegravir. O TAF, que é utilizado em uma dosagem menor que o tenofovir (TDF), é mais permeável nas células e se concentra mais dentro delas, o que o torna mais seguro que o tenofovir (TDF), justamente porque pode causar menos toxicidade renal e óssea.

“A aprovação do Biktarvy® significa um grande passo no tratamento do HIV no Brasil. Principalmente pela forma simples e eficiente com um único comprimido ao dia”, afirma a Diretora Médica da Gilead no Brasil, Dra. Rita Manzano Sarti.

Para que fosse liberado no Brasil, pela ANVISA, o Biktarvy® passou por 4 estudos clínicos que comprovassem a sua segurança e eficácia. Esses estudos, chamados de ‘Estudos de Fase 3’, foram feitos em adultos infectados com HIV-1 não tratados e em adultos infectados tratados.

A liberação do medicamento, no Brasil, também engloba o uso pediátrico do medicamento, que foi aprovado, nesse caso, por outros estudos. Não houve descontinuação do Biktarvy® por nenhum dos pacientes em teste devido a eventos adversos renais. As reações adversas mais comuns foram diarreia, náusea e dor de cabeça.

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos e redator colaborador de conteúdos sobre diversidade LGBTI+ do portal Pheeno.com.br! #MandaAssunto