Vídeo reúne mulheres que arrasam na arte drag; confira

Mulher pode (e deve) fazer drag SIM!

Inspiradas pelos ‘desafios’ que têm se espalhado nos últimos dias, mulheres de diversas partes do Brasil uniram sua força e criatividade para provar que mulher também faz drag.

Hellish Decay (idealizadora do challenge)

A arte drag vem cada vez mais aumentando a sua diversidade artística. Durante décadas pudemos ver drag queens e transformistas entretendo as pessoas, porém, assim como qualquer arte, esta também está em constante evolução.

Rani Bong

Com a evolução da arte drag (e do mungo em geral), percebeu-se que o termo ‘drag queen’ se tornou um tanto pejorativo, fazendo com que aquele artista precisasse assumir uma personagem do gênero feminino, uma vez que ‘queen’, em inglês, significa rainha.

Maldita Mocréia Hammer

Ainda que pouco conhecidos, hoje em dia podemos ver os termos ‘drag king’, artistas que assumem um personagem drag com características masculinas (‘king’, em inglês, é rei), e ‘drag queer’, artistas que não sentem a necessidade de assumir um gênero definido para seu personagem.

Asylum

O que ainda é mais desconhecido pelo grande público é que mulher pode fazer drag também, afinal de contas, drag é uma expressão artística que não depende de gênero ou sexualidade, só depende de força de vontade e criatividade.

Frutifera

Quem consome a arte drag talvez já tenha ouvido falar em termos como ‘bio queen’, ‘faux queen’ ou ‘lady queen’, se referindo às artistas mulheres que fazem drag, por favor, esqueça-os. O correto é drag queen/king/queer mulher.

Tenebraria

Tidas como ‘sexo frágil’, ao longo da história humana as mulheres têm sido oprimidas e menosprezadas simplesmente por serem mulheres, sem se quer ter chances iguais aos homens. É inegável que vivemos em uma sociedade extremamente machista até hoje.

Lili Bitch

Tal discriminação e exclusão não são diferentes dentro da comunidade LGBT+. Quando o assunto é a arte drag, as mulheres são automaticamente deslegitimadas não só pelo preconceito enraizado na cultura drag de que só homens podem ser drags, mas também por preconceitos como: “por ser mulher, é muito mais fácil ser drag, afinal de contas já sabem se maquiar e andar de salto”.

Olga Salander

Foi justamente pensando nesses pré-conceitos que um grupo de 30 mulheres cis e trans que existem e resistem, de diferentes estados brasileiros, se uniu para mostrar que mulher também faz drag. Cada uma a sua maneira, exercendo sua própria expressão artística que, por natureza, quebra paradigmas.

Chup Chups

“Neste desafio reunimos artistas incríveis de vários cantos do Brasil que alteram percepções e quebram padrões e barreiras. Respeite e apoie as minas do rolê!”

Conheça personagens, e suas respectivas expressões artistas, que compõe o #DragChallengeDasMinas:

Ana Conda: drag queer (PR) – @aanarconda
Alludra: mulher cis, drag queen (São Carlos – SP) – @alludrag
Anico Perfler: mulher trans, metal queen (PE) – @anicoperfler
Ariel Kaskaria: mulher cis, drag queen (Brasília – DF) – @sereiapunk
Asano Hikari: mulher trans, drag gueixa (Curitiba – PR) – @dani.yoshimura
Asylum: mulher cis, drag queen (SP) – @eu.asylum
Audrey: mulher cis, drag queen (São Paulo – SP) – @audrey.drag
Buzz Darko: mulher cis, drag queen (SP) – @bamboloki
Cereja Bomba: drag queer (Curitiba – PR) – @cerejabomba
Chup Chups: mulher cis, drag queen (Rio de Janeiro – RJ) – @chup.chups_
Déborah Black: travesti, drag queen burlesca (Curitiba – PR) – @mrs_deborahblack
Frutífera: mulher não binária, transformista (BA) – @fruta000
Gaga Gothic: mulher cis, drag queen impersonator (Curitiba – PR) – @gagagothic
Hellish Decay: mulher cis, punk drag queen e baby King (Curitiba – RP) – @hellish_decay
KarmaLeoa: mulher cis, drag queen (Salvador – BA) – @karmaleoa
Layla Julietta: mulher cis, drag queen (São Paulo – SP) – @stefanieriedel_
Lili Bitch: mulher cis, drag queen (RJ) – @_kabrito
Lindy Xoxo: mulher cis, drag queen (São Bernardo do Campo – SP) – @lindyxoxo_
Lolly Dollheart: mulher cis, drag queen (SP) – @lolly.dollheart
Maldita Mocréia Hammer: mulher trans, drag queen (SP) – @malditahammer
Miliita Sattiva: mulher cis, drag queen (Salvador – BA) – @militasattiva
Nocturna: mulher cis , monster queen e drag queen (Curitiba – PR) – @nocturna.jpg
Norvana: mulher cis , drag queen (SP) – @norvan4
Olga Salander: mulher cis, drag queen (SP) – @olgasalander
Rani Bong: mulher cis, drag queen (Rio de Janeiro – RJ) – @ranibong
Tenebraria: mulher cis, drag queen (SP) – @tenebraria
Towanda Verde Frita: mulher cis, drag queen (Salvador – BA) – @towanda.vf
Varla Violenza: mulher cis, drag queen (São Paulo – SP) – @varlaviolenza
Vee Wayward: mulher não binária , monster drag (SP) – @veewayward
Yasmin: transformista (Curitiba – PR) – @yasqueeeenn

Siga, curta e compartilhe a arte dessas drags maravilhosas. Não se esqueça, respeita as mina sempre! O #DragChallengeDasMinas teve como principal inspiração o #DontRushhallenge, cujo objetivo é divulgar e exaltar a beleza negra. Não deixei de apoiar também esse movimento lindo e necessário!

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos e redator colaborador de conteúdos sobre diversidade LGBTI+ do portal Pheeno.com.br! #MandaAssunto