Youtuber pode pegar 12 anos de prisão após enganar mulheres trans sem-teto com comida estragada

O YouTuber Ferdian Paleka foi preso na Indonésia após ter postado um vídeo que mostra uma “brincadeira” de muito mau gosto em que ele e seus amigos fizeram com uma mulher trans em situação de rua. Por conta disso, o rapaz, que possui mais de 150 mil inscritos em seu canal, pode enfrentar até 12 anos de prisão.

O vídeo, que viralizou na última semana, mostra Ferdian e dois amigos colocando tijosos e comida apodrecida dentro de caixas de comida e saíram distribuindo para moradores de rua da cidade. Os alvos principais, eram mulheres trans, que segundo eles, não obedeciam as ordens do governo, já que na Indonésia, a homossexualidade é crime. Segundo o jornal The Mirror, no vídeo é possível ver Ferdian se referindo à mulher como ‘bencong’, forma pejorativa de chamar pessoas trans no país asiático.

O YouTuber indonésio Ferdian Paleka entregando comida estragada para mulher trans (Foto: Reprodução)

Após uma semana de perseguição e investigação, as autoridades da Divisão de Crimes Especiais da Polícia de Java Ocidental, prendeu Ferdian Paleka e seus amigos. No momento da prisão, Paleka estava de cabelo pintado e sem bigode, na tentativa de enganar o cerco policial. Segundo o site ‘The GailyGrind’, o chefe da unidade de investigação da polícia de Bandung, Galih Indragiri, contou que primeiro eles prenderam os dois cúmplices de Ferdian, que também apareciam no vídeo, e que eles acabaram entregando o amigo às autoridades. Um deles foi denunciado pela própria mãe, que não gostou nada do comportamento desumano do filho.

Um dos alvos da brincadeira sem graça de Paleka, Sani, mulher trans de 39 anos, disse a repórteres que não esperava que alguém fosse tão impensado malvado o mês do Ramadã ou no meio da epidemia de coronavírus. Dani, mulher trans de 56 anos e outra vítima do youtuber, conta que ao pegar uma das caixas “doadas” pelo trio achando que era macarrão, notou que estava cheio de concreto e ficou tristemente decepcionada.

Os engraçadinhos foram levados para a Divisão de Crimes Especiais da Polícia de Java Ocidental, onde foram acusados de difamação online sob a Lei de Informações e Transações Eletrônicas, com sentença máxima de quatro anos de prisão, além de violar deliberadamente a lei e prejudicar outras pessoas, punível com até 12 anos de prisão.

Momento da prisão

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!