Zona Norte do Rio ganha primeiro time de futebol gay; conheça os Alligaytors

As noites de quinta-feira em Madureira estão ficando cada vez mais coloridas. Mas engana-se quem pensa que as cores são dos grafites que tomam conta do famoso viaduto do Baile Charme! O culpado disso é o primeiro time de futebol gay da Zona Norte carioca, o Alligaytors.

A ideia surgiu com mais três amigos, conta Luigi Girotto, um dos responsáveis pela criação do time. O motivo?! Ter um clube inclusivo e livre de preconceitos, sem o machismo que predomina no futebol. “Muito jovem gay tem receio de jogar futebol, e não por não gostar do esporte, mas pelo preconceito que existe dentro de campo”, conta Luigi. O apoio do público foi de imediato, tanto que 40 pessoas marcaram presença na estreia do time, para a surpresa dos quatro amigos.

“Nós não esperávamos tanta gente. Ficamos surpresos quando vimos o tanto de pessoas querendo participar”, conta. O time estreou em outubro deste ano, mas apesar de pouco tempo nos campos, já vem conquistando o seu espaço. Em apenas um mês, o clube já conta com patrocínio de um bar LGBT local, que ajuda na confecção dos uniformes.

Apesar disso, não foi nada fácil para o grupo conseguir um local para os treinos semanais. Após enfrentar dificuldades para agendar datas nas quadras públicas de Madureira, o time encontrou uma solução: alugar um espaço, o Madureira Esporte Clube. No entanto, o time precisa desembolsar no mínimo R$ 15 por jogador. O local recebeu a turma de braços abertos e sem preconceitos. “Não enfrentamos nenhum tipo de represália por conta dos frequentadores do clube. Rola uns olhares, mas o pessoal nos recebe bem”.

E quem disse que mulher não pode jogar?! Apesar da grande maioria do time ser formado por homens, uma jovem lésbica também marca presença nos treinos. Trata-se de Monique, que já chegou chegando e mostrando para todo mundo que meninas também batem um bolão. “Ela joga demais! Melhor que homem”, brinca Luigi.

Projeto “Adote um Hétero”

Homens heterossexuais também podem fazer parte do time! Para isso, foi criado o projeto “Adote um Hétero”, onde qualquer jogador pode levar um amigo hétero por partida para fazer parte do jogo. “Mas apenas um por jogo”, adianta Luigi. Assim como outras pessoas do time, o convidado precisa pagar R$ 15 para ser escalado.

Campeonato brasileiro de futebol gay

O primeiro campeonato brasileiro de futebol gay já é uma realidade. A LiGay Nacional de Futebol, que acaba de ser fundada, terá início no dia 25 de novembro deste ano, no Rio Sport, na Barra da Tijuca. Ao todo, oito equipes vão participar da competição: BeesCats Soccer Boys (Rio), Bharbixas, (BH), Bravus (Brasília), Futeboys (SP), Magia (Porto Alegre), Sereyos, de Florianópolis e os meninos do Alligaytors!

Os melhores jogadores do “Brasileirão gay” vão integrar uma seleção que será enviada pela LiGay para disputar o World Gay Games, que acontecerá em agosto de 2018, em Paris. Boa sorte para todos! 😀

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!