Vítima de homofobia, morador de rua é queimado vivo no litoral de São Paulo

A Polícia Civil em Mongaguá, no litoral de São Paulo, está investigando a morte de um morador de rua bastante conhecido na cidade. O corpo dele foi encontrado carbonizado, no último domingo (24/12), dentro de um estacionamento abandonado onde ele costumava passar as noites. Amigos acreditam em homofobia.

De acordo com informações da Polícia, Alexandre [sobrenome desconhecido] estava dormindo em um galpão localizado no bairro Jardim Marina quando o local foi incendiado. O Corpo de Bomberiso e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foram ao local para atender a ocorrência e encontrar a vítima sem vida.

“Ele era uma pessoa super prestativa e atenciosa. Era homossexual, mas a maioria respeita. Não é a primeira vez que acontece isso. Atearam fogo nele há cerca de dois meses. Como o quiosque onde ele dormia foi vendido, o novo dono não deixou ele ficar lá e, por isso, foi morar nesse local. Ele foi morto por ser homossexual”, disse o professor Jorge Morais, que conhecia o morador de rua, em entrevista ao G1.

A perícia avaliou o local e um boletim de ocorrência de incêndio e morte suspeita foi registrado na Delegacia de Mongaguá. De acordo com o delegado Ruy de Mattos, ainda não há indícios que comprovem que o incêndio foi criminoso ou que haja uma relação com a sexuliade do morador de rua. Essas hipóteses, porém, não foram descartadas.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!