Brasil vai produzir Truvada, medicamento que previne HIV

O Farmanguinhos, laboratório que pertence à Fundação Oswaldo Cruz do governo brasileiro, vai passar a produzir o medicamento indicado para a prevenção do HIV, conhecido como Truvada. Combinação dos antirretrovirais Emtricitabina e Tenofovir, o remédio será preparado dentro de uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP) com as empresas Blanver e Microbiológica.

Em 2017, na primeira compra do medicamento, o Ministério da Saúde anunciou que seriam gastos US$ 1,9 milhão na aquisição de 2,5 milhões de comprimidos. A quantia seria suficiente para atender uma demanda de cerca de 7 mil pacientes. A pasta estima que, com a produção nacional, o número de pessoas atendidas poderá ser ampliado. A expectativa é de que o produto feito pela PDP passe a ser fornecido para o Sistema Único de Saúde (SUS) no segundo semestre.

O Truvada começou a ser distribuído este ano em alguns serviços de referência do SUS dentro da estratégia de terapia pré-exposição (PrEP), em que pessoas saudáveis tomam o medicamento não para tratar a doença, mas para se proteger da infecção.

A PrEP está disponível só para homens que fazem sexo com homens, transexuais, profissionais do sexo e casais sorodiscordantes (quando um tem HIV e o outro não). Somente pessoas acima de 18 anos e que não têm HIV, mas que querem se proteger do contágio, podem tomar o medicamento. A indicação, entretanto, é que preservativos continuem a ser usados.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!