Aline Barros é processada em R$1 milhão por demitir backing vocal que assumiu homossexualidade

A cantora gospel Aline Barros está no meio de uma batalha jurídica contra sua ex-back vocal, Rejane Magalhães. A ex-funcionária alegou que a empresa da cantora, a Aline Barros Produções Artísticas, não aceitou sua orientação sexual e teria sido desligada da banda sem um aviso prévio.

De acordo com o jornal “O Dia”, o valor da causa que Rejane exige é de R$ 1 milhão. Rejane pede declaração de vínculo empregatício, pois não possuía carteira assinada, recolhimentos de INSS e Fundo de Garantia, horas extras, horas trabalhadas em feriados, adicional noturno, décimo terceiro salário, férias.

Ainda de acordo com a publicação, além disso, Rejane reivindica também uma redução salarial que ela alega ter tido no período em que trabalhou com Aline (de 2005 a 2015). O número do processo é 0100956-67.2017.5.01.0004 e pode ser acompanhado no site do Tributal Regional do Trabalho (TRT).

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!