Homem que arrancou coração de travesti é absolvido e vai para hospital psiquiátrico

A Justiça de Campinas (SP) determinou a internação em hospital psiquiátrico por dois anos e absolveu criminalmente o jovem de 20 anos que matou a travesti Kelly dos Santos, em Campinas (SP). O crime ocorreu em 21 de janeiro e o corpo da vítima foi encontrado com tórax aberto e uma santa sobre ele.

O jovem, chamado Caio Santos de Oliveira, foi diagnosticado por um médico psiquiátrico como portador de esquizofrenia. Na época do crime, Oliveira afirmou que tinha arrancado o coração da vítima porque ela “era um demônio”. O relatório do processo indica que “após a consumação do crime de homicídio, Caio Santos de Oliveira ocultou parte do cadáver de Kelly”. O réu foi denunciado por homicídio qualificado por motivo torpe e emprego de meio cruel. Durante o processo, o Ministério Público (MP) pediu a absolvição de Oliveira, com internação mínima por três anos, enquanto a defesa pediu a absolvição e tratamento ambulatorial.

Segundo o G1, na decisão, de 23 de agosto, o juiz José Fernando Steinberg decidiu que Oliveira é inimputável e optou pela internação por dois anos, como foi sugerido pelo médico perito que diagnosticou a esquizofrenia. “É caso de absolvição sumária, com a manutenção da internação em hospital psiquiátrico. Por se tratar de crimes apenados com reclusão, não há que se falar em tratamento ambulatorial, sendo que o perito sugeriu a internação pelo prazo mínimo de dois anos, o que será acatado por este Juízo”.

De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), o jovem foi encaminhado para o Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Dr. Arnaldo Amado Ferreira, de Taubaté (SP) em 11 de outubro.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!