Técnico tira time de campo após jogador assumido denunciar homofobia de atleta rival: “Não vamos tolerar isso”

O técnico Landon Donovan virou um dos assuntos mais comentados da internet após retirar seu time, o San Diego Loyal, de campo após denunciar que um de seus jogadores foi vítima de homofobia dentro de campo. O caso aconteceu na última quarta-feira (30/09), em jogo válido pela United Soccer League (USL), equivalente à segunda divisão do país.

A polêmica aconteceu pouco depois do intervalo, quando o meia Collin Martin, que é assumidamente gay, alegou ter sido chamado de “batty boy”, uma gíria jamaicana depreciativa em relação a homossexuais. Como o árbitro não tomou nenhuma atitude em relação à ofensa e o treinador rival também optou por manter seu jogador em campo, Donovan afirmou que sua equipe não teve outra alternativa a não ser abandonar o jogo, que venciam por 3 a 1.

Nossos rapazes, com todos os méritos, disseram que não vamos tolerar isso“, afirmou Donovan, segundo informações da Veja. “Eles foram muito claros naquele momento e disseram que abriríamos mão das esperanças de chegar aos playoffs, embora estivéssemos vencendo um dos melhores times da liga com folga“, continuou. “Eles disseram que não importa. Existem coisas mais importantes na vida e temos de defender aquilo em que acreditamos“.

O ex-craque da seleção norte-americana também disse que um de seus atletas havia sofrido ofensas racistas por um oponente na rodada anterior e prometeu ao elenco tomar atitudes enérgicas. “Passamos por um incidente muito difícil na semana passada no jogo de Los Angeles e juramos a nós mesmos, à nossa comunidade, aos nossos jogadores, ao clube, à liga, que não aguentaríamos intolerância, calúnias homofóbicas – coisas que não pertencem ao nosso jogo“, afirmou.

Confira

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!