Jair Bolsonaro desdenha da Covid-19 com homofobia: “Brasil tem que deixar de ser um país de maricas”

Jair Bolsonaro destilou homofobia nesta terça (10/11) ao dizer que o Brasil precisa deixar de ser um “país de maricas”. A fala do presidente foi feita enquanto ele comentava sobre a Covid-19, doença que já matou mais de 162 mil brasileiros. O presidente também afirmou que “tudo agora é pandemia” e que “tem que acabar esse negócio”. Ele disse lamentar os mortos, mas ressaltou, mais uma vez, que “todos nós vamos morrer um dia”.

“Tudo agora é pandemia, tem que acabar com esse negócio. Lamento os mortos, lamento. Todos nós vamos morrer um dia, aqui todo mundo vai morrer. Não adianta fugir disso, fugir da realidade. Tem que deixar de ser um país de maricas”, disse durante evento no Palácio do Planalto. 

Confira trecho da declaração de Jair Bolsonaro

A declaraçao foi dada horas depois do presidente comemorar em uma rede social um “evento adverso grave”, que fez com que a Anvisa interrompesse  o estudo clínico da vacina Coronavac, desenvolvida em São Paulo pelo Instituto Butantan e pelo laboratório chinês Sinovac Biotech. Na rede social, Bolsonaro escreveu: “Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Dória queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la. O Presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”.

VEJA + NO PHEENO TV

Thiago Araujo é editor-chefe e criador do Pheeno! Referência no cenário pop LGBTQIA+ nacional, o carioca de 30 anos é jornalista e empresário do ramo do entretenimento, além de agitar as pistas como DJ mundo afora!