Dupla sertaneja é alvo de crítica nas redes sociais por música transfóbica: “Estão nos interpretando mal”

A dupla sertaneja Pedro Motta e Henrique lançou a música “Lili” na última sexta (18/12) e foi parar nos assuntos mais comentados das redes sociais. A letra, repleta de transfobia, conta a história de um rapaz que se diz “enganado” pela namorada, que é uma travesti.

“Depois de um mês de namoro apaixonado, iludido e bobo dentro de um motel chorando arrasado acabei de descobrir que eu fui enganado/ Agora eu entendo por que ela não queria fazer amor, uma voz feminina, uma farra embriagada, ela se entregou, só que ela não tinha o que mulher tem/ Ô, Lili, ô, Lili, por que você mentiu para mim? O, Lili, ô, Lili, o amor da minha é um travesti”, diz a letra da música. Após a repercussão da música, a dupla veio a público pedir desculpas e disse que as pessoas “estão nos interpretando mal“. “Estão nos chamando de homofóbicos [sic]. Gente, de forma alguma! Nunca vocês ouviram que Pedro Motta e Henrique é [sic] homofóbico, Pedro Motta e Henrique está [sic] zoando a pessoa“, começou Pedro.

Pelo contrário: a gente tem muitos amigos que estão nos apoiando na música. Agradecer a eles“, completou Henrique. “Só que eles estão com medo de expor, de ser bombardeado [sic] que nem a gente está sendo bombardeado. Gente falando que tem nojo da dupla. De forma alguma. A gente não está aqui pra menosprezar a imagem de vocês. A gente fala que o amor da nossa vida é um travesti, né, parceiro, e não sabíamos. Ou é uma travesti, como vocês estão falando“, continuou Pedro.

Pelo Instagram, a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) pediu para as pessoas pararem de ouvir a música e escreveram um texto destinado à dupla sertaneja. A instituição explicou o porquê a música é problemática e convidaram Pedro Motta e Henrique para um diálogo.

Confira o pedido de desculpas

Confira a nota da Antra

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!