Mercado é mais difícil para mulheres trans do que para homens trans, aponta novo estudo

Um estudo comandado pela plataforma TransEmpregos revelou que, comparado a empregabilidade de homens trans, mulheres transexuais enfrentam muito mais barreiras na hora de se inserir no mercado de trabalho.

Segundo informações do portal Correio Braziliense, dos currículos apurados pela plataforma, 47,2% são de homens e apenas 29% são de mulheres. “Mulheres transexuais enfrentam ainda mais barreiras para se inserir no mercado profissional”, reflete Maite Schneider. Aos 39 anos, Maite é embaixadora da Rede Mulher Empreendedora, além de ser uma das fundadoras da TransEmpregos, banco de talentos para auxiliar pessoas trans a entrar no mercado de trabalho. “A gente nota que mulheres têm um início mais difícil por causa da educação. Homens trans conseguem se capacitar e se manter mais tempo nos bancos escolares”, conta. 

Para Maite, o preconceito durante o período escolar é um dos motivos da evasão de mulheres transexuais do sistema de ensino. O que posteriormente acaba dificultando a inserção no mercado de trabalho. “Normalmente, como no meu caso, as mulheres trans são tidas como a mariquinha, como eu era chamada. Então, eu tinha isso na minha cabeça, de que mulher era aquela que chorava, assim, não me defendia e não queria voltar a estudar”, diz ao portal.

Por fim, ela manda um recado especial para todas as mulheres: “Confie em você, estamos no meio de uma revolução. Orgulhe-se da pessoa que você se torna e tente, cada vez mais, ser uma versão melhorada da sua existência. Não tenha vergonha, nunca, de quem você é”.

Em 1º de março, a TransEmpregos comemorou a marca de 777 empresas parceiras. Já em 2020, a plataforma on-line da organização registrou aumento de 315% no número de usuários. Foram abertas 1.419 vagas e, no período de um ano, 794 profissionais foram empregados.

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!