Carioca abre o jogo sobre ser um gay morador de comunidade: “Acham que você é garoto de programa”

Conversamos com o carioca Diego Jesus, de 31 anos! Morador da comunidade de Jacarezinho, ele revela ficou totalmente sem renda por conta da pandemia e precisou se reinventar.

Para tanto, investiu em fazer doces e, desde então, o negócio só tem crescido. Mas afirma que o preconceito por ser um gay preto e periférico ainda faz parte de sua vida. “Acham que a gente é bandido ou ladrão, quando se é gay então, ai já pensam logo que você é garoto de programa, prostituição“, desabafa.

Confira

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!