Câmara Municipal de São Paulo instala CPI da Violência Contra Pessoas Trans e Travestis

A Câmara Municipal de São Paulo instalou, na última sexta-feira (24/09), a CPI da Violência Contra Pessoas Trans e Travestis. A comissão foi proposta pela vereadora Erika Hilton (Psol), após a morte de Lorena Muniz, mulher trans abandonada durante incêndio em uma clínica da capital em fevereiro deste ano.

Além de Erika presidir a comissão, Eduardo Suplicy (PT) será o vice-presidente e Cris Monteiro (Novo), a relatora. Na abertura da CPI, a vereadora considerou que a comissão parlamentar marca um momento histórico para o movimento da população trans do Brasil. Erika relembrou alguns casos de violência contra pessoas trans e travestis no Brasil, como a morte da cabeleireira Lorena Muniz, de apenas 25 anos. Lorena morreu após ser abandonada inconsciente durante um incêndio em uma clínica da capital. “Lorena é uma das milhares de mulheres trans e travestis que tem sua vida leiloada na irresponsabilidade dessas clínicas. No Ceará, uma travesti de 13 anos foi assassinada de forma brutal. Quando falamos de violência contra pessoas trans se mata por causa do indivíduo, pois nossa sociedade ainda é calcada na transfobia”, disse a vereadora, em pronunciamento na Câmara.

Esta CPI tem o intuito de investigar a violência cometida contra esta população, dar respostas a esta violência, mas também sensibilizar os legisladores e os agentes públicos para que desenvolvam políticas públicas que possam minimizar o sofrimento e a violência que acomete esta população“, destacou Erika. Também foi criado serviço para receber denúncias, que podem ser feitas pelo e-mail denuncie@cpitrans.com.br ou pelo WhatsApp (11) 97832-4142.

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!